06:08 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    Uma equipe de cientistas trabalhará com o Telescópio Espacial James Webb da NASA em seis dos quasares mais distantes do Universo.

    Com isso, eles pretendem estudar as propriedades destes quasares e suas galáxias anfitriãs e como teriam estado interligados durante as primeiras etapas da evolução das galáxias no Universo primitivo.

    Além disso, os quasares serão utilizados para analisar o gás no espaço entre as galáxias, especialmente durante o período de reionização cósmica, que terminou quando o Universo ainda era muito jovem.

    "Estas observações nos dão a oportunidade de estudar a evolução das galáxias, bem como a formação e evolução dos buracos negros supermassivos nesses tempos tão distantes", explicou Santiago Arribas, membro da equipe e professor do Departamento de Astrofísica do Centro de Astrobiologia de Madri.

    A luz desses objetos muito distantes foi distendida pela expansão do espaço, este processo é conhecido como desvio ao vermelho cósmico. Quanto mais longe a luz tiver que viajar, mas ela se desloca ao vermelho.

    Os quasares são buracos negros supermassivos muito brilhantes, distantes e ativos, sendo bilhões de vezes maiores que o Sol.

    Eles geralmente estão localizados no centro das galáxias, alimentando-se da matéria que cai e gera torrentes de radiação.

    Sendo dos objetos mais brilhantes do Universo, a luz de um quasar ofusca todas as estrelas de sua galáxia anfitriã combinadas, e seus jatos e ventos dão forma à galáxia em que se localiza.

    Quando um buraco negro supermassivo acumula matéria, uma grande quantidade de energia é liberada. Esta energia quente empurra o gás para fora, gerando fortes fluxos de saída que atravessam o espaço interestelar, danificando a galáxia anfitriã.

    Os cientistas acreditam que estes fluxos de saída sejam o mecanismo principal por onde o gás, a poeira e os elementos são redistribuídos a grandes distâncias dentro da galáxia, podendo provocar mudanças fundamentais nas propriedades da galáxia anfitriã, bem como no meio intergaláctico.

    "Estamos interessados em observar os quasares mais brilhantes, pois a grande quantidade de energia que estão gerando em seus núcleos deveria conduzir ao maior impacto na galáxia anfitriã por mecanismos como o fluxo de saída e o aquecimento do quasar", afirmou Chris Willott, cientista do Centro de Pesquisa de Astronomia e Astrofísica Herzberg do Conselho Nacional de Pesquisa do Canadá.

    Mais:

    NASA flagra 'choque cósmico' impressionante a 140 milhões de anos-luz da Terra (FOTO)
    Sonda da NASA capta imagens mais aproximadas, em 20 anos, do maior satélite de Júpiter (FOTOS)
    NASA lançará sonda para estudar lua de Júpiter que poderia conter vida
    Tags:
    espaço, galáxia, galáxias, estudo, telescópio, NASA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar