20:07 02 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 71
    Nos siga no

    A pesquisadora Tessa Plint disse que encontrar o fóssil foi uma surpresa durante o levantamento de um pequeno terreno no Vale do Rift da África Oriental.

    Rastros raros de animais antigos datados de quase dois milhões de anos foram descobertos acidentalmente por cientistas da Universidade Heriot-Watt do Lyell Centre, em Edimburgo, na Escócia, durante trabalho de campo geológico no mundialmente conhecido como Garganta de Olduvai, no norte da Tanzânia. Localizado no Vale do Rift da África Oriental, é um dos sítios paleoantropológicos mais importantes da Terra, tendo rendido evidências iniciais de ancestrais humanos.

    Não se sabe quais espécies foram responsáveis ​​por deixar as marcas, mas os cientistas dizem que elas foram formadas por mamíferos de casco fendido, como antílopes pré-históricos ou gazelas. Os fósseis também revelam que os animais deixaram suas pegadas enquanto caminhavam sobre uma camada de cinzas recém-caídas resultante de uma erupção vulcânica próxima, cerca de 1,8 milhão de anos atrás.

    Um total de três vestígios de cascos no solo foram encontrados por acaso pelos pesquisadores, cada um medindo aproximadamente sete centímetros de comprimento na localidade conhecida como Garganta de Olduvai. Tessa Plint, uma Ph.D. pesquisadora especializada em paleoecologia e Dr. Clayton Magillos publicaram seus achados na revista Ichnos.

    A pesquisadora Tessa Plint com o raro fóssil encontrado na Garganta de Olduvai, no norte da Tanzânia
    © Foto / Heriot-Watt University
    A pesquisadora Tessa Plint com o raro fóssil encontrado na Garganta de Olduvai, no norte da Tanzânia
    "Estávamos no desfiladeiro de Olduvai para coletar amostras de sedimentos arqueológicos para análises geoquímicas. Não estávamos lá para prospectar rastros fósseis, então encontrá-los foi 100% uma questão de olhar para o lugar certo na hora certa! Foi um momento muito emocionante", contou Tessa Plint.

    "Foram encontradas pegadas fósseis de pássaros em camadas de rocha geologicamente mais jovens do desfiladeiro de Olduvai, mas nunca pegadas fósseis de grandes animais terrestres", explicou ela detalhando que muito do que se sabe sobre o antigo ecossistema da Garganta de Olduvai vem de ossos e dentes fósseis.

    "Pegadas fósseis, ou neste caso, as marcas de cascos fósseis oferecem uma janela única para o passado. Elas têm o potencial de nos contar sobre o comportamento do criador de rastros, algo que é muito difícil de determinar em animais extintos", pontuou.

    Rastros fósseis detalhados são raros devido à sua fragilidade e muitas vezes não são preservados no registro arqueológico ou paleontológico. São necessárias condições ambientais incrivelmente específicas para que sobrevivam a milhões de anos. Esta última descoberta oferece detalhes notáveis ​​em grande parte graças às impressões de cascos feitas em cinzas vulcânicas muito finas.

    A presença de um grande vulcão fornecia o escoamento de água apenas o suficiente para sustentar um enorme lago salino raso não potável, mas abrigava uma abundância de vegetação de pântanos. Os rios, córregos e nascentes de água doce que alimentavam o lago eram, no entanto, seguros para beber, resultando em animais e ancestraishumanos sendo atraídos para a área.

    O Dr. Magill, professor assistente do Lyell Center, acrescenta: "Uma das trilhas é preservada com detalhes impressionantes, é tão nítida e clara que parece que poderia ter sido feita na manhã em que a encontramos. Ter esses artefatos é incrivelmente útil ao estudar ecossistemas antigos. Sabemos com certeza que aquele animal estava fisicamente presente naquele ambiente em um momento específico no passado", completou.

    Mais:

    Impressionante 'fóssil vivo' considerado extinto é identificado ao largo da costa japonesa (FOTOS)
    Fóssil capta lula ancestral comendo crustáceo enquanto era comida por tubarão pré-histórico (FOTOS)
    Tartaruga de quase 100 milhões de anos tem fóssil raro descoberto nos EUA
    Tags:
    Escócia, descoberta, paleontologia, Tanzânia, fóssil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar