14:24 04 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 73
    Nos siga no

    Pesquisadores conseguiram detectar no centro da Via Láctea, em uma região particularmente luminosa, uma estrela gigante que perdeu rapidamente 97% de seu brilho e também o recuperou em poucos meses.

    Astrônomos descobriram uma estrela na Via Láctea que diminuiu seu brilho em quase toda sua totalidade e depois voltou ao nível anterior, relata nesta sexta-feira (11) o jornal The Guardian.

    "Parecia surgir do nada", disse o dr. Leigh Smith do Instituto de Astronomia da Universidade de Cambridge, Reino Unido, sobre o escurecimento da estrela gigante, chamada VVV-WIT-08, em 97%, sendo que "WIT" é a sigla em inglês para "o que é isto".

    Usando o telescópio Vista, operado pelo Observatório Europeu do Sul no Chile, que observa o brilho infravermelho do espectro eletromagnético, o corpo celeste, que se encontra no centro da nossa galáxia, começou a desvanecer no início de 2012 e quase desapareceu em abril daquele ano, antes de se recuperar nos 100 dias seguintes.

    Quando os cientistas encontram estrelas variáveis que não se encontram dentro de categorias estabelecidas, eles as chamam de "o que é isto" ou objetos "WIT". Sua última descoberta leva o nome VVV-WIT-08.

    Os cientistas teorizaram no estudo publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society que a razão de terem encontrado uma estrela tão grande em uma região densa da galáxia pode ter sido devido a um disco empoeirado ao redor de um planeta em órbita, ou de uma segunda estrela que se interpôs no caminho. A VVV-WIT-08 deve voltar a passar pelo fenômeno entre os próximos 20 e 200 anos, acreditam os pesquisadores.

    Apesar de tudo, não se trata da primeira estrela com estas características, pois a Epsilon Aurigae diminui em cerca de 50% a cada 27 anos devido a um disco de poeira, a TYC 2505-672-1, parte de um sistema binário, que também é eclipsada por um disco da estrela companheira a cada 69 anos. Existem ainda outras duas estrelas "piscantes" em volta da VVV-WIT-08, mas os astrônomos têm menos detalhes sobre elas.

    Segundo a equipe de cientistas, as observações poderão ajudar a entender a evolução do que se pode tratar de estrelas "gigantes piscantes". 

    Mais:

    Colisões de nuvens podem desencadear formação estelar no espaço, aponta estudo
    Telescópio Hubble registra imagem de enorme estrela escaldante à beira da destruição (VÍDEO)
    Astrônomos descobrem raras estrelas azuis a ponto de explodir em nova região da Via Láctea (FOTO)
    Tags:
    Twitter, Observatório Europeu do Sul, Chile, Reino Unido, Universidade de Cambridge, The Guardian, Via Láctea
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar