16:28 21 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 21
    Nos siga no

    Uma pesquisa da Universidade do Arizona, EUA, encontrou cianeto de hidrogênio, íon formil e monóxido de carbono, todas partículas orgânicas, em locais inesperados na Via Láctea, e em nebulosas planetárias.

    Astrônomos da Universidade do Arizona, EUA, relataram a descoberta de moléculas orgânicas em nebulosas planetárias e nos confins da galáxia Via Láctea.

    "As nebulosas planetárias são objetos brilhantes produzidos quando estrelas de um certo tipo chegam ao fim de sua evolução. Espera-se que a maioria das estrelas da galáxia, incluindo o Sol, terminem suas vidas desta maneira", explica o comunicado sobre os resultados das observações, que foram apresentados na terça-feira (8) no 238º Encontro da Sociedade Astronômica Americana, que ocorreu de forma virtual.

    A equipe liderada por Lucy Ziurys, professora de química e astronomia na instituição, usou o telescópio ALMA, localizado no deserto do Atacama, Chile, para observar as emissões de rádio a partir de cianeto de hidrogênio (HCN), íon formil (HCO+) e monóxido de carbono (CO) em cinco nebulosas planetárias: M2-48, M1-7, M3-28, K3-45, e K3-58.

    Foi descoberto que essas moléculas definiam as formas das nebulosas planetárias. Com a alta resolução utilizada nas observações, foi possível ainda observar claramente, pela primeira vez, geometrias complexas do material desse fenômeno espacial, tais como barras, lóbulos e arcos. Anteriormente, as nebulosas planetárias apenas eram observáveis com luz visível.

    As moléculas observadas confirmam pesquisas anteriores, que indicam que as nebulosas planetárias são fontes críticas de ingredientes crus para a formação de novas estrelas e planetas, contribuindo com 90% do material do espaço interestelar, sendo que os outros 10% pertencem às supernovas.

    "Pensava-se que as nuvens moleculares que dariam origem a novos sistemas estelares teriam que começar do zero e formar essas moléculas a partir dos átomos", lembra Ziurys.

    "Mas se o processo começar com moléculas no lugar, ele pode acelerar drasticamente a evolução química em sistemas estelares nascentes", comentou.

    Moléculas orgânicas na Via Láctea

    Por sua vez, Lilia Koelemay, estudante de doutorado no grupo de pesquisa de Ziurys, e coautora do estudo, relatou na mesma conferência a descoberta de moléculas orgânicas na periferia da Via Láctea, através do Telescópio de 12 metros do Observatório de Rádio do Arizona (ARO, na sigla em inglês) em Tucson, Arizona, longe da Zona Galáctica Habitável (GHZ, na sigla em inglês), cuja sensibilidade a pesquisadora considerou vital para não passar "centenas de horas" em observações.

    O achado aconteceu em uma região no centro da Via Láctea que inclui o Sistema Solar, e é considerado favorável para a vida. A GHZ tem sido teorizada como uma região que não podia estar nem demasiado perto do centro da galáxia, com uma grande densidade de estrelas e radiação, nem muito longe dele, pois não haveria elementos críticos suficientes para a vida, tais como oxigênio, carbono e nitrogênio.

    A equipe procurou espectros de emissão característicos do metanol, uma molécula orgânica básica, em 20 nuvens moleculares, encontrando a partícula em todas elas, algo que Koelemay acredita apontar a uma existência mais ampla das moléculas necessárias para a vida.

    "Os cientistas se perguntam sobre a extensão da química orgânica em nossa galáxia, e sempre se pensou que além do nosso Sol não veríamos muitas moléculas orgânicas. A suposição geral era que a periferia de nossa galáxia não tinha a química para formar substâncias orgânicas", algo que, segundo a cientista, seria devido à suposta escassez de moléculas orgânicas.

    "Estamos encontrando estas espécies na periferia da galáxia, e a abundância não diminui nem mesmo dez kiloparsecs [cerca de 32.600 anos-luz] do Sistema Solar, onde não se acreditava ocorrer a química necessária para construir as moléculas necessárias para a vida. O fato de que eles estão lá, e que isso amplia as perspectivas de formação de planetas habitáveis muito além do que tem sido considerado a zona habitável, é extremamente excitante", sublinha Lucy Ziurys.

    Mais:

    Periferia da Via Láctea já foi mais propícia à vida do que localização central da Terra, diz estudo
    Planetas com água e continentes como a Terra seriam abundantes na Via Láctea
    Cientistas determinam a área da Via Láctea onde pode existir vida inteligente
    Tags:
    Arizona, Tucson, Chile, Atacama, Universidade do Arizona, EUA, Via Láctea
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar