01:07 24 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Coronavírus no mundo no início de junho de 2021 (22)
    1272
    Nos siga no

    Pesquisadores na Califórnia, EUA, estudaram as reações de certos tipos de coronavírus em pessoas infetadas com a COVID-19, e detectaram um que é "lembrado" após infeção.

    Cientistas do Instituto de Pesquisa de Scripps, Califórnia, EUA, descobriram um anticorpo com reação cruzada que se ativa em pessoas infectadas com a COVID-19 e que sofreram previamente com resfriado, informa um comunicado de quarta-feira (26) da organização.

    Com o uso de microscopia eletrônica, os cientistas tentaram entender como certos coronavírus que causam resfriado podiam influenciar a resposta imunológica à doença do novo coronavírus.

    "Examinando amostras de sangue coletadas antes da pandemia, e comparando-as com amostras de pessoas que haviam estado doentes com COVID-19, conseguimos identificar os tipos de anticorpos que reagiram de forma cruzada com os coronavírus benignos e SARS-CoV-2", explicou Raiees Andrabi, investigador do Instituto de Pesquisa de Scripps, Califórnia, EUA, e autor principal do estudo publicado na revista Nature Communications.

    Durante os testes o anticorpo encontrado conseguiu neutralizar igualmente o SARS-CoV-1, o coronavírus que causa a síndrome respiratória aguda severa.

    "Este tipo de anticorpo reativo cruzado é provavelmente produzido por uma célula B de memória que é inicialmente exposta a um coronavírus que causa o resfriado comum, e depois se recupera durante uma infecção da COVID-19", indicou Andrabi. As células B da memória são uma parte essencial do sistema imunológico, que podem circular no sangue por décadas, prontas para entrar em ação se a ameaça surgir novamente.

    "É provável que outro coronavírus mortal ressurja no futuro, e quando isso acontecer, queremos estar mais bem preparados. Nossa identificação de um anticorpo reativo cruzado contra o SARS-CoV-2 e os coronavírus mais comuns é um avanço promissor no caminho para uma vacina ou terapia de ação ampla", disse Dennis Burton, coautor do estudo.

    Segundo o comunicado, a descoberta poderá levar eventualmente ao desenvolvimento de uma vacina universal, protegendo assim contra coronavírus futuros.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no início de junho de 2021 (22)

    Mais:

    Estudo aponta que 1 dose da vacina da Pfizer gera anticorpos em pacientes que já tiveram COVID-19
    Experimento mostra que anticorpos não neutralizam variante sul-africana do coronavírus
    Anticorpos da COVID-19 protegem de reinfecção por pelo menos 9 meses, diz estudo sueco
    Tags:
    COVID-19, EUA, Califórnia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar