05:33 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 330
    Nos siga no

    Na China, foi descoberta uma misteriosa figura de bronze de três mil anos, de 1,15 metro de altura, segurando um recipiente antigo no topo da cabeça.

    O achado ocorreu na sexta-feira (28) nas ruínas de Sanxingdui, no sudoeste da China, consideradas um dos principais locais arqueológicos do país, reporta o Global Times.

    Até o final do mês de maio, foram desenterradas cerca de 534 relíquias culturais importantes, incluindo peças de marfim, bronze, ouro, utensílios de jade e quase duas mil relíquias culturais quebradas, incluindo uma máscara de ouro encontrada em um dos fossos de sacrifício.
    Captura de tela de vídeo sobre figura de bronze milenar descoberta na China
    Captura de tela de vídeo sobre figura de bronze milenar descoberta na China

    O achado arqueológico em bronze é composto por duas partes: na parte superior tem um jarro de 55 centímetros de altura com uma boca grande, soldada com decorações requintadas em forma de dragão, e na parte inferior tem uma figura humana de bronze de 60 centímetros de altura aparentemente ajoelhada, parecendo segurar algo nas mãos, descreve a mídia chinesa.

    Supostamente, a figura de bronze representaria o mundo espiritual relacionado com os sacrifícios conduzidos pela antiga civilização Shu.

    A China afirma que a descoberta é uma relíquia cultural "sem precedentes" não só para o país, mas também para todo o mundo. A UNESCO já parabenizou a descoberta através de um vídeo, mas só o tempo dirá se a figura de bronze passará ou não a fazer parte do patrimônio cultural mundial.

    Mais:

    Arqueólogos desvendam termas romanas excepcionalmente bem preservadas na Espanha (VÍDEO)
    Restos de grãos de milheto são encontrados em tumba da dinastia Han na China (FOTOS)
    Vala comum? Cidade síria pode ser dona de raridade arqueológica e nem ter desconfiado (FOTOS)
    Tags:
    arqueologia, descoberta, bronze, ruínas, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar