21:28 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 81
    Nos siga no

    Cientistas dos EUA alertam que o derretimento das geleiras da Antártica coloca em risco a existência de cidades costeiras como Nova York e Xangai.

    À medida que o planeta fica mais quente, o gelo ártico começa a derreter, tendo um impacto direto nas vidas humanas. Porém, o derretimento das geleiras da Antártica não é menos perigoso para a humanidade.

    De acordo com cientistas, na região antártica há gelo suficiente para provocar um aumento do nível do mar em 60 metros como resultado do aquecimento global, escreve Phys.org.

    "Já estamos observando os primeiros sinais deste problema", avança o artigo.

    Recentes estudos apontam que o derretimento de geleiras pode ficar descontrolado em apenas algumas décadas.

    Os cientistas acreditam que muito provavelmente a redução dos gases do efeito estufa e o progresso tecnológico não consigam prevenir a catástrofe.

    Abismo chamado de Fenda Norte, formado na plataforma de gelo Brunt, é visto na Antártica, 26 de fevereiro de 2021
    © REUTERS / Serviço Antártico Britânico
    Abismo chamado de Fenda Norte, formado na plataforma de gelo Brunt, é visto na Antártica, 26 de fevereiro de 2021
    Se as atuais emissões de gases de efeito estufa continuarem, o manto de gelo da Antártica atingirá um ponto crítico de derretimento em 2060.

    O aumento do nível dos oceanos e mares do mundo atingirá tal magnitude, que será irreversível para existência humana.

    A purificação da atmosfera terrestre de dióxido de carbono até lá não será capaz de parar este processo, e em 2100 os níveis de água subirão mais rápido do que hoje em dia, concluem especialistas.

    Mais:

    Encontradas provas de queda de grande meteorito na Antártica há 430 mil anos (FOTO)
    Cientistas revelam ameaça de grande desabamento de plataformas de gelo na Antártida
    Velocidade em que as geleiras estão derretendo dobrou em 20 anos
    Tags:
    geleira, aquecimento global, Antártica, catástrofe climática
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar