21:04 21 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)
    0 61
    Nos siga no

    Cientistas alemães acreditam ter encontrado a causa da coagulação sanguínea advinda da inoculação das vacinas contra a COVID-19 Oxford/AstraZeneca e Johnson & Johnson.

    Rolf Marschalek, professor na Universidade de Goethe, em Frankfurt, e líder do estudo sobre a reação adversa desde março, pensa que sua pesquisa pode ajudar na formulação de uma cura para a questão dos coágulos, reporta o The Financial Times.

    O estudo, pré-publicado na quarta-feira (26), demonstra que o problema se encontra nos vetores adenovirais utilizados por ambas as vacinas para transmitirem instruções genéticas ao corpo sobre o pico do vírus SARS-CoV-2.

    Uma vez dentro do núcleo da célula, certas partes da proteína de pico do vírus se juntam ou se separam, criando versões mutantes incapazes de se ligarem à membrana celular onde ocorre a importante imunização.

    As proteínas mutantes flutuantes são secretadas por células no corpo, desencadeando coágulos sanguíneos em cerca de uma em 100 mil pessoas, segundo a teoria de Marschalek descrita na mídia britânica.
    Em Londres, pessoas fazem fila para tomar a vacina da AstraZeneca contra a COVID-19, em 16 de março de 2021
    © AP Photo / Frank Augstein
    Em Londres, pessoas fazem fila para tomar a vacina da AstraZeneca contra a COVID-19, em 16 de março de 2021

    Casos de coagulação sanguínea, detectados em pelo menos 142 pessoas dentro da Europa e responsável por 56 mortes no Reino Unido, levaram à restrição e suspensão das vacinas AstraZeneca e Johnson & Johnson em mais de uma dúzia de países.

    Marschalek, por sua vez, acredita que há uma "saída" direta se os fabricantes das vacinas em causa conseguirem modificar a sequência do gene que codifica a proteína de pico do vírus, evitando assim que ela se divida.

    Segundo o The Financial Times, a Johnson & Johnson já teria entrado em contato com o laboratório de Rolf Marschalek para pedir orientação, com o objetivo de achar um jeito para adaptar sua vacina e impedir o ajuntamento ou separação de parcelas da proteína de pico.

    No entanto, vários cientistas pedem cautela à teoria de Marschalek, pois afinal, é apenas uma entre tantas outras, e também são necessárias maiores evidências que suportem seu funcionamento.

    Tema:
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)

    Mais:

    COVID-19: médico explica razões que levaram a Pfizer a retardar testes de vacina em grávidas
    Mais mortes estão relacionadas com vacina da Pfizer do que com AstraZeneca, diz relatório
    China apela para investigação após declaração de Biden sobre vazamento da COVID-19 de laboratório
    Tags:
    estudo, vacinação, COVID-19, Alemanha, cientistas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar