10:23 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)
    0 273
    Nos siga no

    Biólogos norte-americanos, baseando-se em testes PCR, descobriram que 90% do vírus SARS-CoV-2 na população são espalhados apenas por 2% dos infectados, então os chamaram de superdisseminadores.

    Pesquisadores da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, analisaram dados de mais de 72 mil testes PCR, realizados de 27 de agosto a 11 de dezembro de 2020 entre estudantes universitários, segundo estudo publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences.

    Para a análise, os biólogos usaram os dados das pessoas que no momento do teste não tinham quaisquer sintomas da COVID-19, identificando 1.405 casos assintomáticos.

    A análise da carga viral de amostras revelou que cerca da metade destas pessoas estava na fase infecciosa, enquanto apenas 2% dos infectados carregavam até 90% dos vírions. Então, a minoria de infectados espalha a grande maioria de vírions.

    Posteriormente, os pesquisadores compararam os dados dos infectados assintomáticos com os dados análogos dos pacientes internados com o coronavírus de dez pesquisas independentes de 404 laboratórios. Foi descoberto que a estatística de propagação da carga viral entre os disseminadores assintomáticos e internados é muito parecida.

    Em ambos os grupos cerca de 90% dos vírions são espalhados por 2% dos superdisseminadores. Ao todo, 99% dos vírions são espalhados por 10% dos infectados assintomáticos e 14% dos infectados sintomáticos.

    "Permanece desconhecido se estes indivíduos são indivíduos especiais capazes de abrigar cargas virais extraordinariamente altas, ou se muitos indivíduos infectados passam por um período de tempo muito curto de carga viral extremamente alta", escreveram os biólogos.

    Além disso, foi informado que nos grupos de infectados assintomáticos e infectados sintomáticos havia uma só pessoa que tinha mais de 5% de todos os vírions do grupo. Ao mesmo tempo, 50% dos infectados em ambos os grupos tinham menos de 0,02% de todos os vírions.

    Tema:
    Mundo em meio à pandemia da COVID-19 no fim de maio de 2021 (61)

    Mais:

    Vacina russa Sputnik V é altamente efetiva contra variante brasileira da COVID, aponta estudo
    Estudo sugere que gravidade da COVID-19 pode estar ligada a níveis de testosterona em homens
    Vírus 'mais mortal' do que SARS-CoV-2 vai acarretar nova pandemia, alerta diretor da OMS
    Tags:
    cientistas, novo coronavírus, pandemia, estudo, vírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar