22:21 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    6462
    Nos siga no

    Um estudo argentino confirmou que a vacina russa Sputnik V é altamente efetiva contra a variante brasileira da COVID-19, informou o Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo).

    O novo estudo, realizado pelo Instituto de Virologia da Argentina, mostrou que a vacina Sputnik V é altamente efetiva contra a nova variante de Manaus do coronavírus.

    O estudo também mostrou que 99,65% dos vacinados possuíam anticorpos IgG para a COVID-19 após a segunda dose.

    Os resultados confirmaram especificamente que a imunidade gerada graças à vacinação com a Sputnik V evitou o contágio com a variante de Manaus tanto naqueles que receberam uma dose, como naqueles que receberam as duas doses da vacina.

    "O estudo realizado na Argentina confirmou a alta eficiência da vacina Sputnik V contra novas cepas e novas variantes do coronavírus. A Argentina foi o primeiro país da América Latina a iniciar a vacinação da população com a Sputnik V. Agora vemos que a vacina russa ajuda a proteger a população não apenas contra as cepas conhecidas, como também contra novas variantes, incluindo a de Manaus, com uma forte resposta imune gerada após receber apenas uma dose da vacina", afirmou Kirill Dmitriev, diretor-geral do RFPI.

    ​O novo estudo, realizado pelo Instituto de Virologia da Argentina, mostrou que a vacina Sputnik V é altamente efetiva contra a nova variante de Manaus do coronavírus. O estudo também mostrou que 99,65% dos vacinados possuíam anticorpos IgG para a COVID-19 após a segunda dose.

    A vacina da Rússia Sputnik V já foi aprovada em 66 países, que juntos têm uma população de mais de 3,2 bilhões de pessoas. O imunizante ocupa a segunda posição mundial em aprovações de reguladores estatais. A vacina tem uma eficácia de 97,6%, baseando-se na análise dos dados de 3,8 milhões de russos vacinados, sendo esta porcentagem superior à eficácia indicada antes na revista científica The Lancet (91,6%), de acordo com o Fundo Russo de Investimentos Diretos e o Centro Gamaleya.

    Mais:

    Comissão da Câmara cobra informações do Itamaraty sobre pressão dos EUA contra Sputnik V no Brasil
    ONU apela a seus funcionários para se vacinarem com Sputnik V, diz Guterres
    Após determinação de Lewandowski, Anvisa indica ao STF o que falta para análise da Sputnik V
    Tags:
    vacinação, vacina, Argentina, Brasil, Rússia, COVID-19, novo coronavírus, Sputnik V
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar