07:34 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    Uma equipe de cientistas usou simulações por supercomputador da Universidade de Leicester, Reino Unido, para resolver o mistério da altíssima temperatura das ejeções de massa coronal do Sol ao chegarem à Terra.

    O gás expelido constitui parte do vento solar e, quando atinge o campo magnético terrestre, pode causar tempestades geomagnéticas.

    Quando esta corrente de partículas carregadas chega ao campo magnético de nosso planeta, a sua temperatura alcança entre 100.000 e 200.000 graus centígrados, dez vezes mais do que o esperado.

    Um novo estudo publicado na revista Journal of Plasma Physics, baseado nestas simulações, sugere que o vento solar permanece quente por mais tempo devido à reconexão magnética em pequena escala, que é formada na turbulência do vento solar.

    Este fenômeno ocorre quando duas linhas opostas do campo magnético são rompidas e reconectadas entre si, liberando enormes quantidades de energia.

    "A reconexão magnética é produzida de forma quase espontânea e constante no turbulento vento solar. Este tipo de reconexão é produzido apenas em uma área de centenas de quilômetros, que é realmente pequena em comparação com as vastas dimensões do espaço", afirmou o autor principal do estudo, Jeffersson Agudelo.

    "Utilizando a potência dos supercomputadores, pudemos abordar este problema como nunca. Os eventos de reconexão magnética que observamos na simulação são tão complicados e assimétricos que seguimos analisando", adicionou.

    Agora, a equipe pretende comparar as simulações com dados reais da sonda Solar Orbiter, projetada para pesquisar as origens e as causas do vento solar, bem como estudar o funcionamento do Sol.

    Mais:

    Proxima Centauri: explosão recorde é registrada na estrela mais próxima do Sol
    Energia do espaço: EUA pretendem capturar energia solar de satélites para Terra em breve
    Enorme exoplaneta perplexa cientistas ao orbitar 'jovem Sol' 20 vezes mais longe que Júpiter (FOTO)
    Tags:
    campo magnético, cientistas, rajadas de vento, estudos, estudo, Sol
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar