20:50 07 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Equipe australiana detectou novo círculo de rádio estranho extragaláctico de quase um milhão de anos-luz de diâmetro que pode ajudar a entender melhor os mecanismos de formação dessas fontes.

    Astrônomos detectaram um novo círculo de rádio estranho extragaláctico (ORC, na sigla em inglês) usando o radiotelescópio ASKAP localizado no Observatório de Radioastronomia de Murchison, no centro-oeste australiano. A nova fonte de rádio, designada ORC J0102–2450, tem um diâmetro de quase um milhão de anos-luz. A descoberta foi relatada em um artigo publicado em arXiv.org.

    Os ORCs são objetos misteriosos muito grandes que são altamente circulares e brilhantes ao longo das bordas em comprimentos de ondas de rádio. Embora essas fontes em comprimentos de rádio sejam brilhantes, não são visíveis. Até agora, apenas alguns objetos deste tipo foram identificados, portanto, muito pouco se sabe sobre sua origem e natureza.

    Agora, uma equipe de astrônomos liderada por Barbel S. Koribalski da Instalação Nacional de Telescópio da Austrália relata a mais recente adição à pequena lista de círculos de rádio estranhos conhecidos - ORC J0102–2450. A descoberta foi feita como parte da busca por ORCs e outras fontes de rádio estendidas em outras galáxias.

    Círculos de rádio estranhos (ORC, na sigla em inglês)
    Círculos de rádio estranhos (ORC, na sigla em inglês)

    O recém-detectado ORC tem um diâmetro de anel de rádio de cerca de 70 segundos de arco, ou 978.000 anos-luz, enquanto sua luminosidade total de rádio foi de aproximadamente 140 bilhões de terawatts por hertz em potência.

    Levando em consideração a morfologia geral de rádio do novo ORC e a não detecção da emissão do anel em comprimentos de onda que não sejam de rádio, os astrônomos chegam a algumas conclusões sobre a origem da descoberta. Eles supõem que poderia ser um lóbulo de relíquia de uma radiogaláxia gigante vista do fim ou uma onda de explosão gigante, possivelmente de uma fusão de buraco negro supermassivo binário, resultando em um anel de rádio grandioso. Um terceiro cenário considerado pelos autores do artigo é que poderia ser uma interação de radiogaláxia e meio intergaláctico (IGM, na sigla em inglês).

    No entanto, os pesquisadores acrescentaram que mais descobertas de ORCs com ASKAP e outros telescópios são necessárias para verificar as hipóteses propostas.

    "Nós encorajamos a busca por mais ORCs em pesquisas de rádio para estudar suas propriedades e origem […]. Observações profundas de raios X também podem detectar esses eventos energéticos […]", diz o artigo.

    Em suma, os astrônomos notaram que ORC J0102–2450 com ASKAP o torna o terceiro círculo de rádio estranho com uma galáxia elíptica em seu centro geométrico. Eles assumem que não é uma coincidência e ORCs com tais galáxias podem ser comuns, o que poderia nos ajudar a entender melhor os mecanismos de formação dessas fontes.

    Mais:

    Lentes cósmicas detectam pequenas galáxias que podem ser menores emissoras de rádio no Universo
    Famosa rajada rápida de rádio revela magnetosfera 'dançante' em estrela de nêutrons, diz estudo
    Sinal de rádio descoberto na ionosfera pode desvendar mudança climática em Vênus
    Tags:
    ORC, radiotelescópio, Austrália, onda de rádio, anos-luz, galáxias
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar