12:32 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 120
    Nos siga no

    Pesquisa descobriu diferentes estruturas na região montanhosa, conhecida como Puuc, no norte da península mexicana de Iucatã.

    Cientistas, com ajuda de laser de tecnologia de ponta, analisaram os restos de uma sofisticada civilização dos antigos maias no norte da península de Iucatã, no México.

    O estudo, publicado esta semana no portal Plos One, revelou diversos tipos de estruturas na região montanhosa, conhecida como Puuc, incluindo reservatórios artificiais, mais de 1.200 fornos, terraços para a agricultura e quase oito mil plataformas onde eram construídas habitações.

    Além disso, o escaneamento a laser demonstrou que os antigos maias extraíam rocha na zona estudada, segundo o portal Live Science.

    Por outro lado, a pesquisa permitiu explorar quatro grandes acrópoles que datam do período Formativo Médio (700 a.C. a 450 a.C.) e centros cívicos que datam de 600 d.C. a 750 d.C., durante o período Clássico Tardio.

    "Parece ter sido uma área muito próspera, pois temos todas estas casas de pedra", declarou o autor principal do estudo, William Ringle, professor emérito de Antropologia do Colégio Davidson da Carolina do Norte.

    Este é o primeiro estudo completo da região realizado com a tecnologia LiDAR, que consiste em um laser que escaneia profundamente o solo, inclusive através da espessa vegetação, revelando a topografia do terreno, bem como qualquer característica artificial.

    Análise realizada com o LiDAR de um antigo assentamento maia na região de Puuc, no México
    Análise realizada com o LiDAR de um antigo assentamento maia na região de Puuc, no México

    A análise revelou a existência de aproximadamente 7.900 plataformas de habitações, inclusive nas colinas, o que indica que a região Puuc tinha uma grande população que se concentrava, em grande parte, em diferentes comunidades, com algumas casas no interior.

    Além disso, a análise sugere que a região provavelmente figurava "entre as mais densamente povoadas dentro das terras baixas maias", uma área que inclui partes dos atuais territórios do México, da Guatemala e de Belize.

    Apesar de ser densamente povoada, parece que os habitantes da região eram em sua maior parte pacíficos, com comunidades próximas umas das outras e sem evidência de estruturas defensivas.

    Além disso, o equipamento não encontrou nenhuma prova de que a elite se concentrava em bairros ricos.

    Exemplos típicos das construções de pedras de Puuc
    Exemplos típicos das construções de pedras de Puuc

    Para resolver o problema da água, os maias construíram cisternas revestidas com estuque de gesso, que coletavam a água da chuva, bem como reservatórios, com grandes canais que fluíam neles.

    A exploração também mostrou evidências de uma indústria de trabalho de pedra "intensiva e generalizada", que incluía pedreiras e 1.232 fornos circulares.

    "Estão por todas as partes. E isso indica que era uma indústria grande em Puuc", comentou Ringle.

    As imagens do LiDAR também mostraram a "primeira evidência inequívoca dos territórios em Puuc, de fato, em todo o norte de Iucatã".

    Contudo, apesar das centenas de colinas da região, apenas oito estavam em territórios para a agricultura, o que sugere que a prática não era muito popular em Puuc, indica a equipe.

    Mais:

    Mistério do abandono de grande centro da civilização maia é descoberto
    Desvendado enigma de inscrição na obra 'O Grito' de Edvard Munch
    Cientistas encontram maior e mais antigo monumento da civilização maia no México (FOTOS, VÍDEO)
    Tags:
    México, maias, civilização, descoberta, estudos, estudo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar