15:21 11 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    3100
    Nos siga no

    O novo estudo mostrou que a composição química dos meteoritos vindos de Marte é similar à composição das rochas terrestres, e sendo assim, não seria necessário ir além da superfície marciana para procurar vida no Planeta Vermelho.

    Os cientistas sugerem que para procurar vida em Marte não é preciso ir além da superfície do planeta, que atualmente está sendo perfurada pelo rover Perseverance da NASA, com assistência do mini-helicóptero Ingenuity. O último estudo sobre o assunto foi publicado no jornal Astrobiology.

    No estudo, foi analisada a composição química de meteoritos vindos de Marte que se desprenderam da superfície do Planeta Vermelho, e, eventualmente, acabaram por cair na Terra. Foi descoberto que a composição dos fragmentos é similar a das rochas terrestres.

    "Não sabemos se a vida começou sob a superfície de Marte, mas, se começasse, acreditamos que haveria muita energia lá para sustentá-la até hoje", disse o pesquisador de pós-doutorado Jesse Tarnas, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA (JPL, na sigla em inglês).

    O cientista destacou que onde quer que haja água subterrânea no Planeta Vermelho, há chances de haver energia química suficiente para suportar a vida microbiana subterrânea. Quanto às profundezas da Terra, os cientistas descobriram nos últimos anos que são a casa para uma vasta população de criaturas únicas no submundo.

     Primeira imagem colorida da superfície de Marte tomada por um veículo aéreo em voo, o mini-helicóptero autônomo Ingenuity da NASA, em 22 de abril de 2021
    Primeira imagem colorida da superfície de Marte tomada por um veículo aéreo em voo, o mini-helicóptero autônomo Ingenuity da NASA, em 22 de abril de 2021

    Devido a uma grave falta de luz solar, as espécies sobrevivem graças a um processo químico chamado de radiólise, que ocorre quando as reações químicas produzem subprodutos de alimentos radioativos no interior da rocha, em contato com a água nos poros da rocha.

    O mesmo ocorre em Marte, pois foi descoberto que os meteoritos marcianos possuem a mesma coleção dos elementos necessários para radiólise, sendo também facilmente permeáveis à água. Isso era particularmente típico para as brechas regolíticas, meteoritos formados de rochas da crosta terrestre de mais de 3,6 bilhões de anos, que parecem ter maior potencial para suportar a vida.

    Ao contrário da Terra, Marte não tem um sistema de placas tectônicas que ocasionalmente reciclam as rochas, por isso, os terrenos antigos permanecem praticamente intactos, e são, portanto, demonstrativos para uma análise moderna.

    Os pesquisadores afirmam que as novas conclusões serão a base para estudos futuros sobre sinais de vida moderna na superfície do Planeta Vermelho, e que embora existam algumas dificuldades técnicas na exploração da superfície marciana, não são tão graves como podem parecer à primeira vista.

    Mais:

    Ingenuity da NASA realiza seu 3º voo em Marte atingindo maior velocidade e distância (VÍDEO)
    Mar nada jovem: geofísicos determinam erro de milhões de anos na idade do mar Vermelho
    NASA mostra VÍDEO de seu mini-helicóptero Ingenuity realizando 2º voo sobre superfície de Marte
    Mais de 100 tumbas com corpos curvados sobre si mesmos são encontradas em Guadalupe (FOTOS)
    Partiu Marte? Elon Musk faz previsão sombria sobre colonização no Planeta Vermelho
    Tags:
    superfície, meteorito, vida extraterrestre, Planeta Vermelho, Marte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar