15:18 11 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo enfrenta pandemia no fim de abril de 2021 (77)
    1133
    Nos siga no

    Os cientistas descobriram compostos naturais no corpo humano que ao se ligar ao novo coronavírus o tornam imune a anticorpos, o que explicaria porque pessoas que já tiveram COVID-19, mesmo com alto nível de anticorpos, podem se infectar novamente.

    Uma equipe internacional de pesquisadores descobriu que compostos naturais que fazem parte das hemoproteínas (biliverdina e bilirrubina) suprimem a ligação de anticorpos à proteína S do coronavírus, segundo estudo publicado na revista Science Advances.

    Primeiramente, biólogos do Instituto Francis Crick, envolvidos no desenvolvimento de testes de anticorpos, descobriram que a proteína S do vírus SARS-CoV-2 se liga fortemente à biliverdina, uma substância que dá a essas proteínas uma cor verde incomum.

    Usando soros de sangue de pessoas que já tinham sido infetados pela COVID-19, os pesquisadores descobriram que a biliverdina suprime em 30% a 50% a ligação dos anticorpos humanos à proteína de espícula, tornando-os ineficazes para a neutralização do vírus, o que foi uma surpresa para os cientistas.

    Os autores estudaram detalhadamente as interações entre a proteína S, os anticorpos e a biliverdina, usando crio-microscopia eletrônica e cristalografia de raios X, para descobrir o mecanismo molecular em funcionamento.

    Os cientistas descobriram que a biliverdina se liga ao domínio N-terminal da espícula e o estabiliza de modo que o espinho não pode se abrir. Isso significa que alguns anticorpos não conseguirão acessar seus sítios-alvo, se ligar ao vírus e o neutralizar.

    Além disso, foi descoberto que os níveis de biliverdina e de outro composto com o mesmo efeito, a bilirrubina, no sangue e nos tecidos aumentam à medida que se forma a resposta imunológica à infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

    "E quanto mais dessas moléculas há, mais oportunidades o vírus tem para se esconder dos anticorpos. Este é realmente um processo surpreendente, porque o vírus se beneficia de um efeito colateral dos danos que já causou", disse Annachiara Rosa, primeira autora do estudo.

    Tema:
    Mundo enfrenta pandemia no fim de abril de 2021 (77)

    Mais:

    COVID-19: estudo explica em que casos usar 2 máscaras seria benéfico
    Antigo tipo de coronavírus teria varrido o Leste Asiático há 25 mil anos, diz estudo
    COVID-19: EMA encontra 'possível ligação' entre vacina da Johnson & Johnson e coágulos sanguíneos
    Novo estudo alerta para herpes como efeito colateral raro da vacina da Pfizer contra COVID-19
    Tags:
    cientistas, anticorpos, novo coronavírus, vírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar