17:02 14 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    170
    Nos siga no

    Comuns nos oceanos, esses organismos transparentes que parecem feitos de cristal geralmente se multiplicam em junho. Este ano, no entanto, a população aumentou em março devido às correntes mais quentes do que o habitual para esse período.

    Dois reatores da usina nuclear de Hanul, na Coreia do Sul, tiveram que ser desligados na terça-feira (6) devido a uma invasão de salpas. Os organismos marinhos gelatinosos que se parecem com águas-vivas obstruíram os sistemas de água usados ​​para resfriar os reatores, relata a agência Bloomberg.

    As salpas geralmente medem menos de dez centímetros de comprimento, mas essas pequenas criaturas estão se tornando uma grande praga para a indústria nuclear da Coreia do Sul. Esta é a segunda vez em menos de três semanas que unidades da usina nuclear foram desligadas devido às salpas. Os reatores, cada um com capacidade de 950 megawatts, ficaram fora do ar por cerca de uma semana no final de março.

    As salpas podem se ligar em cadeias de vários metros de comprimento e esses organismos normalmente aumentam em número em junho, mas isso parece ter acontecido em março deste ano devido a correntes quentes que chegaram mais cedo, disse Yu Ok Hwan, vice-diretor do Instituto Coreano de Ciência e Tecnologia do Oceano.

    Mudanças climáticas provavelmente estão aumentando este problema - reatores nucleares parados por causa de salpas semelhantes a águas-vivas

    Grandes prejuízos

    As paralisações podem ficar caras quanto mais continuarem. O desligamento forçou o desligamento de cerca de 10% da capacidade total de energia nuclear. Se a quantidade de energia perdida na interrupção inicial de oito dias fosse compensada com a geração de gás natural liquefeito, seria necessária uma carga de 60 mil toneladas do combustível, custando cerca de US$ 21,8 milhões (aproximadamente R$ 122 milhões), afirma a mídia.

    "Ainda não podemos dizer se o aumento de salpas é devido à mudança climática ou outros fatores […]. Deve ser considerado um fenômeno temporário, a menos que vejamos um aumento contínuo na próxima década", afirmou Youn Seok-hyun, cientista pesquisador do Instituto Nacional de Ciência Pesqueira da Coreia do Sul.

    A Coreia do Sul tem 24 usinas nucleares operáveis ​​com uma capacidade combinada de mais de 23 gigawatts.

    Mais:

    EUA reconhecem colaboração da China para limitar programa nuclear iraniano
    Novo submarino nuclear russo deve finalizar período de testes em setembro
    Rara IMAGEM mostra caça-bombardeiro russo Su-34 com 10 bombas nucleares
    'Israel vai se defender', diz Netanyahu após reunião em Viena sobre acordo nuclear
    Tags:
    Coreia do Sul, reator nuclear, reator nuclear, reatores, oceano
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar