19:20 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    160
    Nos siga no

    As mutações encontradas na Dinamarca geram preocupações de que as vacinas terão um efeito mais fraco quanto mais longe o vírus sofrer mutação de sua cepa original, a ponto de se tornarem ineficazes.

    Uma nova cepa de coronavírus mutante, semelhante às variantes sul-africana e brasileira divulgadas anteriormente, foi descoberta na Dinamarca, e gera preocupação no meio científico, noticiou a rádio Danish.

    De acordo com Christian Wejse, professor associado do Departamento de Medicina Clínica da Universidade de Aarhus, a recém-chegada é um novo desenvolvimento da cepa britânica com uma mutação extra "que a torna melhor para evitar anticorpos".

    Isso significa que uma pessoa que foi infectada no passado tem um risco ligeiramente maior de se infectar novamente por esta cepa. Até o momento, dois casos da nova mutação foram mapeados.

    O Instituto Estadual Serum (SSI, na sigla em inglês) disse que estava "meio preocupado" com a nova mutação. "Temos um bom sistema na Dinamarca para acompanhar esses vírus e detectar infecções. Mas é uma variante que preferiríamos ter evitado ver aqui", disse Henrik Ullum, diretor do SSI.

    No entanto, Wejse explica que, embora a cepa mutante exija medidas extras para manter a propagação baixa, não é um "desastre" nem afetará os planos do país para uma reabertura gradual. Ainda assim, admite que a nova cepa não deve de forma alguma ser ignorada.

    "Devemos levá-la a sério e tentar evitar que se torne a dominante. O meio para fazer isso é encapsulá-la e fazer uma detecção eficaz da infecção", disse Wejse.

    Ao mesmo tempo, existe a preocupação de que as vacinas tenham um efeito mais fraco quanto mais longe o vírus sofrer mutação de sua cepa original. Apesar do temor de que potenciais alterações genéticas possam tornar a inoculação ineficaz, o cientista arrisca dizer que as vacinas atuais ainda protegem contra o agravamento da doença.

    O especialista tranquiliza ao enfatizar que pelo fato de o vírus existir há mais de um ano e ter milhões de infectados ao redor do mundo, ainda não houve registro de nenhuma mutação significativa além das mencionadas. Wejse pontua que para o meio científico é "reconfortante" o vírus continuar espalhando basicamente apenas as mesmas mutações. O que dá a entender que caso houvesse mais variações, a situação poderia ser ainda mais preocupante.

    Com a variante britânica sendo atualmente a dominante, a nação escandinava viu mais de 230 mil casos da doença, com mais de 2.400 mortes. Grandes áreas do país estão neste momento sob bloqueio parcial, com o governo planejando suspender as restrições em sincronia com o progresso da vacinação.

    Mais:

    Mutação em proteína de espícula no SARS-CoV-2 torna vírus 8 vezes mais infeccioso
    Documentado 1º caso de mutação do coronavírus em recém-nascido contaminado no útero
    Nova mutação do coronavírus é descoberta na República Tcheca
    Após 2 meses de lockdown, Portugal inicia desconfinamento a 'conta-gotas'; médicos acham necessário
    Tags:
    vacina, COVID-19, mutação, novo coronavírus, Dinamarca
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar