08:26 22 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    Várias moedas árabes foram encontradas em uma zona rural no estado de Rhode Island e na região da Nova Inglaterra, ambos nos EUA, e podem ajudar a resolver um mistério muito antigo.

    O mistério é o caso de Henry Every, um pirata e assassino inglês que teria se convertido no criminoso mais procurado do mundo após saquear uma embarcação que transportava peregrinos muçulmanos desde Meca, na atual Arábia Saudita, até a Índia, em 7 de setembro de 1695, fazendo-se passar por um traficante de escravos, informa a agência AP.

    O navio pirata Fancy, comandado por Every, teria então emboscado a embarcação real Ganj-i-Sawai, pertencente ao imperador indiano Aurangzeb, um dos homens mais poderosos da época. No navio, não só se encontravam os peregrinos, mas também dezenas de milhões de dólares em ouro e prata, e assim se deu um dos maiores e mais violentos furtos de toda a história.

    Segundo registros históricos, o bando de Henry Every teria não só roubado o navio, como também torturado e abusado dos seus passageiros antes de escaparem para as Bahamas, consideradas um paraíso seguro para piratas. As notícias sobre tamanho crime correram rapidamente, e assim, o rei inglês William III lançou um prêmio generoso pela captura de suas cabeças.

    Jim Bailey, historiador e detectorista de metais amador, procura por vestígios de artefatos da era colonial dos EUA
    © AP Photo / Steven Senne
    Jim Bailey, historiador e detectorista de metais amador, procura por vestígios de artefatos da era colonial dos EUA

    Sobre o malvado capitão, apenas se sabe que ele teria navegado para a Irlanda no ano seguinte, em 1696, tendo seu rastro perdido desde então. Contudo, agora com a descoberta destas moedas na América no Norte, os historiadores e arqueólogos poderão tentar descobrir como o capitão Every desapareceu.

    Pesquisas confirmaram que as moedas encontradas teriam sido cunhadas em 1693 no Iêmen. Uma vez que os colonos das Américas ainda não estariam fazendo trocas com o Oriente Médio nessa época, o círculo de suspeitas começou a apertar. Adicionalmente, outras moedas árabes dessa mesma época teriam sido encontradas nos estados de Massachusetts, Connecticut e na Carolina do Norte onde, por sua vez, foram encontrados registros do desembarque de membros da tripulação de Every.

    De acordo com Sarah Sportman, arqueóloga estadual de Connecticut, "parece que alguns membros de sua tripulação teriam sido capazes de chegar à Nova Inglaterra e de se integrarem", disse Sportman citada pela mídia.
    Moedas árabes, cunhadas no Iêmen em 1693, podem lançar luz sobre o que aconteceu com o capitão Henry Every após o violento roubo em 1695
    © AP Photo / Steven Senne
    Moedas árabes, cunhadas no Iêmen em 1693, podem lançar luz sobre o que aconteceu com o capitão Henry Every após o violento roubo em 1695

    No final do século XVII, teria sido fácil para Every se fazer passar por um traficante de escravos, uma profissão que estaria em crescimento na Nova Inglaterra. Em sua rota para as Bahamas, consta que o capitão inglês teria feito uma paragem na ilha francesa de Reunion, comprando alguns escravos negros para que seu disfarce parecesse mais realista, de acordo com Jim Bailey, historiador e detectorista de metais amador.

    Bailey afirma que "existe uma extensa fonte de documentação primária que mostra que as colônias americanas eram bases de operações para piratas", disse o historiador citado pela AP. Por hora, o mistério do capitão Henry Every e as posteriores vidas de seus membros de tripulação são apenas uma peça de toda a evidência que ainda pode vir a ser descoberta sobre esse tempo.

    Mais:

    Elo perdido na astronomia: descoberto 1º buraco negro de massa intermediária (FOTO)
    Especialistas 'decodificam' monumento de Stonehenge
    Templo pré-colombiano do Peru é achado com representação de aranha divina (FOTOS)
    Tags:
    Rhode Island, EUA, Irlanda, Índia, piratas, assassinatos, roubo, crime, mistério, moedas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar