23:11 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    Partículas fundidas de matéria extraterrestre encontradas na Antártica Oriental revelam que há cerca de 430 mil anos um grande meteorito ou asteroide caiu no local. O meteorito não formou cratera porque o corpo celeste virou um fluxo de matéria derretida quando ainda estava se aproximando da Terra.

    Um grupo internacional de geólogos e planetologistas descobriu provas, na região de montanha de Sor Rondane, na Antártida Oriental, de que há 430 mil anos um asteroide ou grande meteorito de 100 a 150 metros de diâmetro caiu no local, segundo o estudo publicado na revista Science Advances.

    Os cientistas encontraram minúsculas partículas, esferas de condensação de tamanho entre 100 e 300 microns que se formaram quando o meteorito explodiu perto da superfície da Terra, emitindo um fluxo de matéria derretida e evaporada.

    Apesar de que as grandes explosões aéreas ocorrem mais frequentemente do que os impactos de meteoritos que formam crateras, e alguns desses eventos tenham sido bastante poderosos, é muito difícil encontrá-los no registo geológico, uma vez que tudo o que resta deles são pequeníssimas partículas derretidas de matéria extraterrestre.

    O estudo mostrou que a composição das pequenas esferas coletadas pelos pesquisadores pertence aos condritos (meteoritos rochosos). A proporção de microelementos e o nível alto de níquel confirmam a origem extraterrestre da matéria. No entanto, as assinaturas únicas de isótopos de oxigénio indicam que as partículas interagiram com a camada de gelo da Antártica quando caíram.

    Representação artística da queda de um meteorito na Antártica há 430 mil anos
    © Foto / Mark A. Garlick
    Representação artística da queda de um meteorito na Antártica há 430 mil anos

    Através de simulações numéricas, os cientistas provaram que a escala do evento foi maior do que a queda do meteorito de Tunguska, Sibéria, em 1908 ou do meteorito de Chelyabinsk em 2013.

    "Tais eventos de impacto não ameaçam a atividade humana se acontecerem sobre a Antártica. Mas se ocorrerem em uma região densamente povoada, levarão a milhões de vítimas e danos sérios em um raio de até centenas de quilômetros", disse o líder do estudo, dr. Matthias Van Ginneken.

    Os cientistas apelam a realizar uma revisão de eventos semelhantes na história geológica, com base nos dados obtidos, para entender melhor sua frequência e potencial ameaça.

    Mais:

    Vista deslumbrante no aglomerado NGC 3324, a 7.200 anos-luz, é registrada pelo Hubble (FOTO)
    Poder de cascata: descoberta nova lei da natureza por trás de dentes pontiagudos de animais (FOTOS)
    Lançamento de mísseis no espaço é a melhor proteção contra asteroides, diz astrônomo
    Arqueólogos encontram no Reino Unido local mais antigo de produção de sal de 6.000 anos (FOTO)
    Tags:
    meteorito, cratera, asteroide, Antártica, corpo celeste
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar