22:05 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    Equipe de cientistas australianos identificou uma nova lei natural que molda a forma e o desenvolvimento de estruturas biológicas pontiagudas ou afiadas em animais e plantas, como dentes, chifres, garras, bicos e espinhos.

    Descrevendo o padrão recém-descoberto como uma inédita lei da natureza, os pesquisadores deram-lhe o nome de poder de cascata – uma lei de potência matemática encontrada em toda a natureza, determinando o crescimento e a evolução de uma família de formas chamadas cones de potência.

    "A diversidade de animais e até plantas que seguem essa regra é impressionante", diz o biólogo evolucionista Alistair Evans, da Universidade Monash, na Austrália. "Ficamos bastante chocados por encontrá-la em quase todos os lugares que olhávamos nos reinos da vida – em animais vivos e aqueles extintos há milhões de anos", completou.

    Grande parte do trabalho de Evans concentrou-se na evolução morfológica e no funcionamento dos segmentos corporais. Às vezes, descreve as características notáveis de criaturas individuais e, em outras ocasiões, um padrão semelhante pode ser discernido entre muitos organismos. Os resultados são relatados na BMC Biology.

    ​Apresentando uma nova regra da natureza: o poder de cascata! Revelando como estruturas pontudas crescem na árvore da vida. Dentes, garras, chifres, bicos e espinhos.

    Centenas de anos atrás, outro cientista tinha as mesmas preocupações. Christopher Wren, o famoso arquiteto e polímata inglês, propôs que as formas das conchas dos caramujos fossem determinadas pela matemática das espirais logarítmicas, onde um lado da estrutura cresce mais rápido do que o outro.

    Já Evans teve uma percepção semelhante, mas encontrou uma nova regra de crescimento além do pensamento de Wren – baseada em uma nova forma, o cone de potência, que é gerado quando a taxa de crescimento da força radial é diferente da taxa de crescimento da força de comprimento.

    Observando centenas de dentes e medindo como eles ficam mais largos à medida que ficam mais compridos, Evans e sua equipe identificaram uma fórmula matemática simples que sustenta o formato do dente. E descobriram que o poder de cascata não é observada apenas na forma de dentes, chifres, presas e espinhos naturais.

    Escaneamos em 3D centenas de dentes, garras e chifres e os medimos para revelar o "poder de cascata", uma nova regra biológica de crescimento. O poder de cascata é uma lei de potência: obtemos uma linha reta quando registramos a distância ao longo do dente com seu raio de torção. As leis de energia são encontradas em toda a natureza, nos tamanhos dos terremotos, no crescimento das cidades e no movimento do mercado de ações.

    A nova descoberta significa que podemos ser capazes de avaliar a idade dos animais simplesmente conhecendo a forma de seus dentes, já que reconstruções da forma podem indicar o tempo de crescimento necessário.

    Outra aplicação pode ser a antecipação de processos evolutivos futuros, pensa a equipe. "Essas formas podem ser consideradas a família padrão de formas para estruturas pontiagudas, o que significa que têm maior probabilidade de evoluir independentemente várias vezes e serão uma fonte provável de homoplasia na evolução", escrevem os pesquisadores em seu estudo.

    "Devido à enorme amplitude de estruturas e táxons nos quais esse padrão é encontrado, parece que o poder de cascata é um padrão fundamental de crescimento em organismos vivos."

    Mais:

    Neandertais de cerca de 46 mil anos atrás usavam 'palitos de dente', diz estudo (FOTOS)
    Mais de 1 milhão de anos: dentes de mamutes siberianos trazem à tona DNA mais antigo do mundo
    Cientistas afirmam que resolveram 'um dos enigmas mais persistentes na evolução dos insetos'
    Algas fossilizadas poderiam dar pistas sobre evolução da vida na Terra primordial, diz estudo
    Tags:
    Austrália, idade, crescimento, dentes, natureza, lei
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar