12:59 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 41
    Nos siga no

    A natureza intocada do cometa interestelar é um sinal de que talvez nosso Sistema Solar não seja tão diferente de outros no Universo. O cometa 2I/Borisov foi descoberto em 2019.

    Dois novos estudos sobre o 2I/Borisov revelam que esse cometa é o mais puro e inalterado já observado em nosso Sistema Solar. A poeira ao redor do cometa também é intrigantemente diferente daquela ao redor de outros cometas. Os estudos foram publicados na terça-feira (30) na Nature Communications e na Nature Astronomy.

    O cometa 2I/Borisov, descoberto em 2019 pelo astrônomo amador russo Gennady Borisov, é considerado o primeiro cometa interestelar conhecido em nosso Sistema Solar e o segundo objeto interestelar descoberto, sendo o primeiro o corpo celeste Oumuamua.

     Oumuamua através do telescópio William Herschel, localizado na Espanha
    © Foto / Queen's University Belfast / William Herschel Telescope
    Oumuamua através do telescópio William Herschel, localizado na Espanha

    Grãos de poeira

    Novas observações do 2I/Borisov, feitas usando o telescópio VLT, do Observatório Europeu do Sul, no Atacama, Chile, ajudaram os astrônomos a medir a polarização da luz nos grãos de poeira do cometa. Dessa forma, os cientistas descobriram que a luz refletida de 2l/Borisov e filtrada por seu coma é mais polarizada do que a luz de qualquer outro objeto já estudado no Sistema Solar.

    "Estudando a composição e a estrutura das partículas de poeira na coma de poeira de 2I/Borisov, podemos fazer suposições fundamentadas sobre as condições de formação e os locais da poeira", diz Bin Yang, principal autor de um dos estudos, citado pela revista MIT Technology Review.

    A descoberta de que as partículas da coma do 2I/Borisov são pequenas e muito finas sugere que essas partículas não foram muito perturbadas pela radiação e pelo calor de qualquer estrela (forças que, de outra forma, fariam com que pedaços maiores fossem ejetados aleatoriamente da superfície). Os autores concluem que 2l/Borisov é talvez um dos objetos mais primitivos já detectados.

    Os cientistas também registraram que as quantidades relativas de monóxido de carbono e água mudaram conforme o cometa perdia camada após camada. Abundância de monóxido de carbono e água na poeira sugere que o cometa residiu em ambientes de baixa temperatura (ou seja, longe de uma estrela), onde esses compostos poderiam ter permanecido frios e estáveis, por quase toda a sua vida.

    As descobertas sugerem que a evolução do nosso Sistema Solar talvez não seja tão única quanto poderíamos ter pensado. Isso também sugere que as condições que dão origem a um planeta habitável como a Terra são mais comuns na galáxia do que se imaginava.

    Mais:

    Expansão do Universo ocorre devido a uma energia escura desconhecida, teorizam cientistas
    Jato gigante detectado em buraco negro no Universo primitivo pode revelar mistério astronômico
    Lentes cósmicas detectam pequenas galáxias que podem ser menores emissoras de rádio no Universo
    Primeiras estruturas do Universo após Big Bang eram microscópicas, sugere estudo (FOTO)
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar