04:57 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    A Organização de Pesquisa Espacial Indiana (ISRO, na sigla em inglês) e a NASA vão, juntas, colocar em órbita um satélite em 2022, no valor de mais de US$ 1,5 bilhão (cerca de R$ 8,43 bilhões).

    Com a chegada do equipamento fundamental - o radar de abertura sintética de banda S (SAR, na sigla em inglês) – de seu parceiro na Índia, a NASA pode finalmente começar a trabalhar na forma final do satélite terrestre, sendo este equipado com a maior antena refletora alguma vez já lançada pela agência espacial norte-americana.

    Pesando cerca de 2.200 quilos, o Radar de Abertura Sintético NASA-ISRO (abreviado para NISAR) é considerado o satélite de imagens terrestres mais caro do mundo, e está tomando forma no Laboratório de Propulsão de Jatos da NASA (JPL, na sigla em inglês), no sul da Califórnia.

    Em 2014, durante a visita do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, aos EUA, ainda presididos por Barack Obama, Washington e Nova Deli assinaram um acordo formal para a criação do NISAR.

    O NISAR usará dois tipos de radar de abertura sintética (SAR) para criar imagens de lapso de tempo de mudanças na superfície da Terra, causadas por fatores como o magma migrando antes de uma erupção vulcânica. Saiba mais no site da NASA.​

    Após seu lançamento, previsto para o ano de 2022, o NISAR deverá monitorar mudanças sutis na superfície da Terra. Entre estas, sinais de erupções vulcânicas iminentes, o ritmo do descongelamento das camadas de gelo (ligado à subida do nível dos oceanos), bem como as mudanças ocorridas na distribuição de vegetação ao redor do mundo.

    O satélite vai utilizar uma antena refletora de quase 12 metros, colocada no extremo de uma barra de nove metros para mandar e receber sinais de radar de e para a superfície terrestre.

    O NISAR analisará o globo inteiro a cada 12 dias, podendo detectar movimentos ínfimos na superfície do planeta. De igual modo, de acordo com a NASA, o NISAR será também o primeiro satélite a usar dois tipos de frequências de radar, as bandas L e S, para medir as mudanças na superfície da Terra até em menos de um centímetro.

    Os radares de alta resolução vão permitir ao satélite ver através de objetos como nuvens e penetrar sua visão na vegetação densa. Tamanha habilidade permitirá à missão monitorar as mudanças ocorridas na superfície terrestre durante o dia e a noite, faça chuva ou sol.

    Mais:

    Algas fossilizadas poderiam dar pistas sobre evolução da vida na Terra primordial, diz estudo
    NASA testa com sucesso motores de foguete que vão levar o homem à Lua novamente (VÍDEO)
    Hubble captura imagem espetacular de galáxia espiral barrada Arp 28 (FOTO)
    Tags:
    NASA, ISRO, satélite, Terra, ciência
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar