16:56 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    COVID-19 no mundo no final de março de 2021 (98)
    150
    Nos siga no

    O Conselho Independente de Monitoramento de Dados e Segurança (DSMB, na sigla em inglês) está preocupado com a possibilidade de a farmacêutica AstraZeneca ter fornecido dados incompletos sobre eficácia de sua vacina, segundo relatório.

    Na segunda-feira (22), a farmacêutica informou que estudos realizados nos Estados Unidos, Chile e Peru mostraram que a vacina, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford, possui uma eficácia de 79% na prevenção de casos sintomáticos da COVID-19, e de 100% nos casos severos ou críticos e em hospitalizações. A farmacêutica também apontou que a comissão independente não detectou maior risco de trombose em pessoas inoculadas com a sua vacina contra a COVID-19.

    Segundo dados da AstraZeneca, a vacina foi tolerada bem, e o DSMB não detectou nenhum problema com segurança da vacina.

    De acordo com o comunicado do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID, na sigla em inglês) dos EUA, o DSMB lhe informou mais tarde na segunda-feira (22), bem como à Autoridade Biomédica de Pesquisa e Desenvolvimento Avançado (BARDA, na sigla em inglês) e à AstraZeneca, que "estava preocupado com as informações divulgadas pela AstraZeneca sobre os dados iniciais de sua vacina contra COVID-19".

    "O DSMB expressou preocupação com o fato de que a AstraZeneca pudesse ter incluído uma informação desatualizada desse ensaio, o que pode ter fornecido uma visão incompleta dos dados sobre eficácia do medicamento", adicionou o instituto.

    Em conclusão, a entidade insistiu que a farmacêutica cooperasse e fornecesse dados mais atualizados e precisos.

    Anteriormente, a Agência Europeia de Medicamentos anunciou estar investigando incidentes com pacientes vacinados com o imunizante da AstraZeneca em uma série de países europeus, nos quais mais tarde foram registrados efeitos colaterais. Países, dentre eles Itália, França, Alemanha e Espanha, suspenderam temporariamente o uso da vacina. Somente depois de a agência ter recomendado o contínuo da inoculação com vacina da AstraZeneca, os países decidiram voltar a utilizá-la.

    Tema:
    COVID-19 no mundo no final de março de 2021 (98)

    Mais:

    Regulador europeu diz que vacina AstraZeneca é 'segura e eficaz'
    Vacina da AstraZeneca tem 'perfil risco-benefício positivo', dizem especialistas da OMS
    COVID-19: 'Quem recusar vacina da AstraZeneca vai para o fim da lista', diz Saúde de Portugal
    Tags:
    vacina, vacinação, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar