22:51 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de março de 2021 (83)
    1111
    Nos siga no

    A Suíça revelou que novos estudos mostram que as novas cepas da COVID-19 são mais perigosas do que a variante original do vírus, aumentando a significativamente a taxa de mortalidade.

    Os estudos mostraram que as novas cepas da COVID-19, inclusive a britânica, são mais perigosas do que o vírus original, afirmou durante uma coletiva de imprensa o conselheiro federal de assuntos internos da Suíça responsável pela Saúde, Alain Berset.

    "Temos pensado e afirmado durante muito tempo que as novas variantes são mais contagiosas, mas não levam ao aumento de mortalidade. E agora temos um grande número de estudos publicados de alta qualidade que mostram o contrário. Mostram que o nível de mortalidade ultrapassa 50%", disse Berset respondendo à pergunta se as autoridades têm dados confirmados sobre mortalidade de novas cepas do coronavírus.

    No dia anterior (18), o diretor regional para a Europa da Organização Mundial da Saúde, Hans Kluge, declarou que a cepa britânica da COVID-19 predomina nos países da Europa.

    O Brasil já registrou 11.780.820 casos, 287.499 óbitos e 10.384.673 pacientes recuperados da COVID-19. No mundo há 121.931.506 casos confirmados, 2.693.814 mortes e 69.078.677 pacientes recuperados do coronavírus.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo em meados de março de 2021 (83)

    Mais:

    Teoria sobre vírus vazado de laboratório é descartada em relatório de cientistas chineses e da OMS
    Datafolha: 71% dos brasileiros apoiam fechar comércio para frear a COVID-19
    Revelado fator que aumenta risco de morte em decorrência da COVID-19 em quase 4 vezes
    COVID-19: 'Quem recusar vacina da AstraZeneca vai para o fim da lista', diz Saúde de Portugal
    Paes explica novas medidas restritivas no Rio para conter COVID-19
    Tags:
    Suiça, vírus, mortalidade, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar