14:45 18 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    Em 2017, um estranho feixe de luz atravessou nosso Sistema Solar. Recentemente, uma equipe de cientistas diz ter finalmente percebido o que seria.

    A luz observada foi o primeiro objeto interestelar a ser detectado no espaço. Cientistas apresentaram teorias sobre o que se trataria, de um pedaço de tecnologia alienígena a poeira espacial. Porém, agora, uma equipe de cientistas diz ter resolvido o mistério de Oumuamua: é um iceberg de nitrogênio que se desprendeu de um congelado Plutão alienígena, reporta o Live Science.

    Pesquisadores elaboram todos os tipos de teoria, pois nunca nada parecido foi observado. Adicionalmente, nenhum telescópio conseguiu uma imagem decente o suficiente para desvendar a verdadeira forma de Oumuamua, mas algo quase comum a todos não passou despercebido: padrão de mudança de luz regular sugere que o objeto estaria girando, e que seria largo e achatado como um disco, ou muito longo e fino como um cigarro.

    Outra característica interessante do Oumuamua é que aumentaria a velocidade quanto mais próximo estivesse do Sol. Este comportamento é observado em cometas, mas o propulsor de cometas – o vapor d'água – é visível para os telescópios, enquanto o do objeto interestelar misterioso não é, explica o site.

    Teoria, proposta por dois pesquisadores da Universidade do Arizona e publicada no Journal of Geophysical Research: Planets, trouxe novidade.

    Steve Desch e A. P Jackson acreditam que a teoria de um iceberg de nitrogênio, ou até de hidrogênio, disperso seria a mais adequada para explicar o que é o Oumuamua. O suposto iceberg teria se tornado um disco à medida que sua superfície se evaporava ao longo da viagem pela galáxia, e tanto o nitrogênio como o hidrogênio não são visíveis para as lentes dos telescópios.

     Oumuamua através do telescópio William Herschel, localizado na Espanha
    © Foto / Queen's University Belfast / William Herschel Telescope
    Oumuamua através do telescópio William Herschel, localizado na Espanha

    Um fato interessante é que também já houve astrônomos que observaram nitrogênio em forma de gelo no espaço. Plutão, por sua vez, tem a superfície coberta por pedaços de nitrogênio, que foram examinados pela NASA pela primeira vez em 2015.

    Ao longo do tempo, cientistas escreveram que colisões com outros objetos celestes, provavelmente, desintegraram trilhões de fragmentos de nitrogênio em gelo, de pelo menos 50 metros, da superfície de Plutão. Os especialistas acreditam que cerca de 80% desses fragmentos tenham sido ejetados ao espaço interestrelar, informa o Live Science.

    Garret Levine, um pesquisador da Universidade Yale, que não esteve envolvido na pesquisa da teoria acima mencionada, mas que estudou as condições necessárias para a existência de icebergs de hidrogênio, afirmou que o trabalho dos dois cientistas do Arizona era convincente, mas ainda indefinido.

    Na sua opinião, os astrônomos não podem resolver o mistério de Oumuamua somente com base em observações de objetos celestes que saíram do Sistema Solar, uma vez que as mesmas teriam sido conduzidas nos limites absolutos dos telescópios.

    No entanto, o Observatório Vera C. Rubin, no Chile, poderia resolver tamanho mistério, pois o futuro telescópio será programado para examinar o céu mais vastamente em busca de luzes fracas e móveis, bem como para as observar de perto. Este novo aparelho deverá poder localizar visitantes interestelares com muito mais frequência e coletar muito mais dados sobre os mesmos.

    Mais:

    Descoberta surpreendente: astrônomos encontram bilhões de galáxias anãs em teia cósmica
    Lua tem 'cauda' parecida à de cometa e cientistas explicam o porquê
    Meteorito recém-descoberto no Reino Unido participou de etapa precoce do Sistema Solar (FOTO)
    Tags:
    astronomia, mistério, cometa, corpo celeste, iceberg, Sistema Solar, Plutão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar