21:25 29 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    Radiotelescópios são os receptores de ondas de rádio mais sensíveis do mundo, capazes de encontrar feixes extremamente tênues de emissão de rádio provenientes de objetos nos confins do Universo.

    Astrônomos utilizaram o observatório VLA da Fundação Nacional de Ciências Karl G. Jansky, de modo a tomar vantagem da natureza e conseguir notar uma galáxia distante que poderia ser a menor emissora de rádio a ser encontrada, conta o Phys.org. O estudo com as descobertas foi publicado no Astrophysical Journal.

    A descoberta foi parte do Legado dos Campos de Fronteira do VLA, liderado pelo astrônomo Eric Murphy do Observatório Nacional de Astronomia de Rádio (NRAO, na sigla em inglês), utilizando aglomerados de galáxias distantes como lentes naturais para estudar objetos celestes ainda mais distantes. Estes aglomerados serviram como lentes gravitacionais, usando a força gravitacional das galáxias nos aglomerados para dobrar e expandir as ondas de luz e rádio vindas de objetos mais longínquos.

    Dentro desta composição, uma imagem de rádio do VLA é sobreposta em uma imagem de luz visível do Telescópio Espacial Hubble. Os objetos laranja avermelhados proeminentes são vestígios de rádio – estruturas largas possivelmente criadas por ondas de choque – dentro do aglomerado de galáxias, chamado MACSJ0717.5+3745 e situado a mais de cinco bilhões de anos-luz da Terra, de acordo com a mídia.

    Capturada imagem do aglomerado de galáxias MACSJ0717.5+3745, usando uma imagem de rádio do VLA sobreposta em uma imagem de luz visível do Telescópio Espacial Hubble. Deste modo, é possível observar a galáxia distante VLAHFF-J071736.66+374506.4
    Capturada imagem do aglomerado de galáxias MACSJ0717.5+3745, usando uma imagem de rádio do VLA sobreposta em uma imagem de luz visível do Telescópio Espacial Hubble. Deste modo, é possível observar a galáxia distante VLAHFF-J071736.66+374506.4

    Observações detalhadas do VLA mostraram que muitas das galáxias nessa imagem estão emitindo ondas de rádio com luz visível. A informação do VLA revelou que uma das galáxias deveria estar a mais de oito bilhões de anos-luz de distância, sendo que sua luz e ondas de rádio foram dobradas pela intervenção do efeito de lentes gravitacionais.

    A imagem de rádio desta galáxia distante, chamada VLAHFF-J071736.66+374506.4, foi ampliada mais de seis vezes pela lente gravitacional, informam os astrônomos, sendo a ampliação a responsável pela detecção.

    "A ampliação permitida pela lente gravitacional, combinada com a imagem extremamente sensível do VLA, nos deu uma percepção incrível da estrutura de uma galáxia 300 vezes menos massiva que a nossa Via Láctea, em um tempo em que o Universo teria menos da metade de sua idade atual. Isto está nos dando atualmente conhecimentos sobre a formação de estrelas em galáxias de massa muito pequena, e de como estas se agruparam em galáxias mais massivas", explicou Eric Jimenez-Andrade, também do NRAO, citado pelo Phys.org.

    Mais:

    Jato gigante detectado em buraco negro no Universo primitivo pode revelar mistério astronômico
    Expansão do Universo ocorre devido a uma energia escura desconhecida, teorizam cientistas
    Físicos explicam existência de buracos de minhoca que permitiriam viajar rápido pela galáxia
    Tags:
    ciência, astronomia, luz, rádio, galáxias, Universo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar