21:30 22 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 11
    Nos siga no

    Cientistas sugerem que os buracos negros supermassivos sugiram como resultado do colapso de estrelas supermassivas nos primórdios do Universo. Tais estrelas não foram observadas até agora, mas os cientistas esperam que o Telescópio Espacial James Webb (JWST, na sigla em inglês) as detecte em breve.

    No centro de muitas galáxias estão buracos negros supermassivos de 105 a 1011 massas solares. No entanto, a origem destes objetos gigantes ainda é desconhecida.

    Astrofísicos do Japão, Taiwan e Rússia criaram um modelo que considera as supernovas supermassivas antepassados de buracos negros supermassivos, segundo estudo publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

    De acordo com os cálculos dos cientistas, uma dessas supernovas poderá ser vista pelo telescópio JWST, que será lançado em 2021.

    Metade espelhada do interior de uma estrela supermassiva explosiva simulada de 55,5 mil massas solares um dia após o início da explosão
    Metade espelhada do interior de uma estrela supermassiva explosiva simulada de 55,5 mil massas solares um dia após o início da explosão

    A possibilidade de existência de supernovas instáveis relativistas, formadas durante explosão de estrelas supermassivas primárias de 104 a 105 massas solares, foi justificada em pesquisa de 2014 por um dos autores do novo estudo Ke-Jung Chen, do Instituto de Astronomia e Astrofísica de Taiwan (ASIAA, na sigla em inglês).

    "Poderia haver um pequeno número das primeiras estrelas no Universo precoce de dezenas de milhares de massas solares. São provavelmente as progenitoras de buracos negros supermassivos em galáxias. Quanto mais maciça a semente do buraco negro, mais eficaz pode engolir a matéria circundante. Os buracos negros não precisam manter uma alta taxa de acreção para crescer rapidamente", explicou Chen.

    Atualmente, baseando-se no modelo teórico de supernova supermassiva, proposto por Chen, os cientistas realizaram cálculos de transmissão de emissão de estrelas antigas e provaram que o telescópio JWST pode observar uma supernova, apesar da possibilidade de grande parte de estrelas supermassivas já ter colapsado em buracos negros nos primórdios do Universo.

    Se o telescópio espacial conseguir registrar a primeira supernova massiva, o surgimento de buracos negros de estrelas supermassivas precoces seria justificável.

    Mais:

    Exoplaneta parece criar sua própria atmosfera por meio da atividade vulcânica e intriga cientistas
    Encontrada solução teórica para tornar possíveis viagens a velocidades superiores à da luz (FOTO)
    Lua tem 'cauda' parecida à de cometa e cientistas explicam o porquê
    Periferia da Via Láctea já foi mais propícia à vida do que localização central da Terra, diz estudo
    Tags:
    estrelas, telescópio, colapso, Universo, galáxia, supernova, buraco negro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar