00:33 06 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 41
    Nos siga no

    Cientistas descobriram que a causa principal do envelhecimento do cérebro e do desenvolvimento de doenças neurodegenerativas é a perda da substância mielina. Os autores do estudo também identificaram o gene responsável pela produção da mielina, o que permitiria no futuro criar um remédio para rejuvenescimento cerebral.

    A mielina é uma substância que forma a capa das fibras nervosas. Quando a bainha de mielina fica danificada, isso afeta negativamente a eficácia e velocidade dos processos neurais, o que leva à diminuição das funções cognitivas e ao desenvolvimento de certas doenças neurodegenerativas, como esclerose múltipla e doença de Alzheimer.

    Um grupo internacional de neurocientistas descobriu que as células que controlam a recuperação da mielina se tornam menos eficazes com a idade e identificaram o gene principal cuja deterioração da expressão com a idade reduz a capacidade das células de substituir a mielina perdida, segundo estudo publicado na revista Aging Cell.

    "A característica principal do envelhecimento do cérebro é a perda progressiva de substância branca e mielina, o que leva a consequências devastadoras para a função cerebral e ao declínio cognitivo", disse o chefe do estudo Arthur Butt, do Instituto de Ciências Biomédicas e Biomoleculares da Universidade de Portsmouth, Reino Unido.

    Os oligodendrócitos, as células cerebrais que produzem mielina, devem ser substituídos ao longo da vida por células-tronco, que são os precursores dos oligodendrócitos. No entanto, esse processo fica mais lento com a idade, sendo que a causa disso permanecia desconhecida até agora.

    Fibras nervosas no corpo caloso conectando os hemisférios esquerdo e direito do cérebro
    Fibras nervosas no corpo caloso conectando os hemisférios esquerdo e direito do cérebro

    Comparando os genomas de ratos jovens e velhos, os cientistas determinaram quais processos são interrompidos com a idade. Os pesquisadores descobriram por que a reposição de oligodendrócitos e da mielina que eles produzem diminui no cérebro envelhecido.

    "Identificamos o gene GPR17 ligado a esses precursores específicos como o mais vulnerável no envelhecimento do cérebro, e descobrimos que a perda do GPR17 está ligada à redução da capacidade desses precursores de trabalharem ativamente para substituir a mielina perdida", afirmou a dra. Andrea Rivera do Instituto de Anatomia Humana da Universidade de Pádua, Itália.

    Os cientistas destacam que seu estudo é apenas o início de uma grande pesquisa para encontrar maneiras de "rejuvenescer" as células precursoras dos oligodendrócitos para que estas possam recuperar eficazmente a substância branca perdida.

    Mais:

    Cientistas identificam vírus aparentados com SARS-CoV-2 em biomaterial de morcegos
    Estudo realizado no Amazonas revela impacto significativo das mudanças climáticas em bebês
    Polvos podem 'ver' luz com ajuda de seus tentáculos, diz novo estudo
    Cientistas revelam causa da 'névoa cerebral' após COVID-19
    Tags:
    cérebro, envelhecimento, genes, Alzheimer, célula
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar