01:42 06 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de março de 2021 (94)
    0 71
    Nos siga no

    Cientistas descobriram que tecidos de algodão se tornam melhores filtros quando expostos a condições úmidas. O mesmo já não ocorre com tecidos sintéticos.

    Pesquisadores testaram quais tecidos funcionam melhor para máscaras destinadas a retardar a disseminação do SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19. Simulando condições que imitam a umidade da respiração de uma pessoa, os cientistas descobriram que a eficiência de filtragem aumentou em média 33% em tecidos de algodão.

    ​As máscaras de algodão se tornam melhores filtros quando absorvem a umidade da respiração, tornando-as ainda melhores em desacelerar a COVID-19 do que pensávamos

    Os tecidos sintéticos tiveram um desempenho ruim em relação ao algodão e seu desempenho não melhorou com a umidade. O material das máscaras de procedimentos médicos também não melhorou com a umidade, embora tenha um desempenho quase igual ao do algodão. Os resultados foram publicados na segunda-feira (8) na revista científica ACS Applied Nano Materials.

    "Os tecidos de algodão ainda são uma ótima escolha […]. Mas este novo estudo mostra que os tecidos de algodão têm melhor desempenho em máscaras do que pensávamos", afirmou em comunicado Christopher Zangmeister, principal autor do estudo.

    Algodão x fibra sintética

    Zangmeister e seus colegas testaram nove tipos diferentes de algodão e seis tipos de fibras sintéticas com 99% de umidade, aproximadamente a umidade do ar, e 55% de umidade. Isso resultou em uma diferença notavelmente visível no desempenho do algodão.

    1 / 4
    Imagens de máscaras faciais de uma flanela de algodão (E) e de poliéster, fotografadas com um microscópio eletrônico

    A eficiência de filtragem dos tecidos de algodão aumenta em condições úmidas porque o algodão é hidrofílico, o que significa que gosta de água. Ao absorver pequenas quantidades de água na respiração de uma pessoa, as fibras de algodão criam um ambiente úmido dentro do tecido. Conforme as partículas microscópicas passam, elas absorvem parte dessa umidade e ficam maiores, o que aumenta a probabilidade de ficarem presas.

    A maioria dos tecidos sintéticos, por outro lado, são hidrofóbicos, o que significa que não gostam de água. Esses tecidos não absorvem umidade e sua eficiência de filtragem não se altera em condições de umidade.

    O tipo de algodão com melhor desempenho foi a flanela de algodão, de acordo com os resultados. Os pesquisadores também testaram se a umidade torna os tecidos mais difíceis de respirar e não encontraram nenhuma alteração na respirabilidade.

    No entanto, tudo isso não significa que as máscaras molhadas sejam melhores: se a máscara molhar, ela deve ser substituída. A pesquisa sugere que possuir um monte de máscaras reutilizáveis ​​que podem ser lavadas na máquina juntas é a opção mais ecológica para manter-se seguro.

    Zangmeister ressalta, todavia, as condições em laboratório são específicas e "para entender como esses materiais funcionam no mundo real precisamos estudá-los em condições realistas".

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de março de 2021 (94)

    Mais:

    UE 'não tem nada a oferecer': Europa perdeu corrida das vacinas contra COVID-19, diz mídia francesa
    Reino Unido afirma não ter bloqueado nenhuma exportação de vacina contra COVID-19
    COVID-19: Paraguai tem risco de colapso e pede para população evitar aglomerações
    Brasil pede ajuda à China e admite que campanha de vacinação contra a COVID-19 pode parar
    Tags:
    algodão, COVID-19, novo coronavírus, máscara, pandemia, tecido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar