15:33 17 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 0 0
    Nos siga no

    Polvos são capazes de "ver" luz com ajuda de seus tentáculos, ainda que seus olhos estejam mergulhados na escuridão, desvendaram pesquisadores. Quando os tentáculos detectam luz, o polvo aproxima seus oito braços do corpo.

    Já que polvos geralmente têm uma má noção de seu posicionamento no espaço, este comportamento instintivo complexo pode ajudar a proteger seus braços de predadores próximos que eles poderiam não sentir de outra maneira.

    Os resultados do estudo foram publicados no Journal of Experimental Biology.

    A pele dos polvos é revestida por órgãos cheios de pigmentos chamados cromatóforos que reflexivamente mudam de cor quando são expostos à luz. Estes cromatóforos são responsáveis pelo "superpoder" de camuflagem dos polvos. Na realidade, foi durante o estudo de tais respostas à luz que os especialistas Tal Shomrat e Nir Nesher do Centro Acadêmico Ruppin de Israel notaram algo estranho.

    "Nós usamos um flash de luz muito brilhante, e quando iluminávamos a extremidade do braço [do polvo], sempre se afastava. Foi muito surpreendente", disse Shomrat ao jornal Live Science. "Nós mudamos nosso experimento para explorar este comportamento após descobrirmos que ninguém tinha descrito isto antes."

    O novo experimento envolveu deslocamento de um polvo em um tanque coberto por uma lona preta opaca. O polvo, em plena escuridão, foi treinado a estender o tentáculo através de um pequeno buraco no topo do tanque para encontrar pedaços de peixe.

    Enquanto o polvo estava cegamente tocando em torno da comida, os cientistas acendiam a luz no braço do animal em momentos aleatórios. Em 84% do tempo, o polvo puxou o tentáculo rapidamente. Isto permitiu aos cientistas sugerir que polvos reagem à luz com seus braços, mesmo quando não conseguem ver a luz com os olhos.

    Realizando outra série de experimentos, os cientistas identificaram que a extremidade dos tentáculos é uma área mais sensível à luz.

    Adicionalmente, enquanto cromatóforos em polvos dormidos reflexivamente reagiram à luz, os braços ficaram imóveis, o que levou os cientistas a uma conclusão de que este comportamento não é um reflexo, mas, sim, é controlado pela cognição de nível mais elevado no cérebro, de acordo com o especialista em comportamento de polvos, Eduardo Sampaio.

    Mais:

    Cientistas captam polvo batendo em peixes e sugerem que o faz por pura maldade (VÍDEO)
    'Coração partido': cientista descobre que polvos também sentem dores emocionais
    Polvo perde tentáculo em violenta batalha com enguia na Austrália
    Tags:
    estudo, ciência, luz, polvo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar