20:32 25 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de março de 2021 (94)
    0 31
    Nos siga no

    Este é o primeiro caso documentado de alteração genética do coronavírus no cenário único da transmissão materno-fetal antes do nascimento. Alteração da placenta e velocidade da mutação chamaram atenção de cientistas suecos.

    Médicos realizaram uma cesariana de emergência em uma grávida com suspeita de COVID-19 que foi levada às pressas de ambulância para o Hospital Universitário Skane, na cidade de Malmo, na Suécia, sofrendo de dores abdominais intensas e repentinas. Exames de sangue do recém-nascido confirmaram que o oxigênio estava gravemente baixo e também confirmaram que a mãe e o bebê estavam infectados pelo novo coronavírus.

    O genoma do vírus foi sequenciado para confirmar a possibilidade de que o bebê havia sido infectado ainda no útero. A equipe de estudo do hospital descobriu que o genoma viral dos dois era idêntico. Como a criança foi isolada da mãe logo após a cesariana e não entrou em contato com outros membros da família quando os testes foram feitos, concluíram que ele estava realmente infectado antes de nascer.

    O que chamou atenção dos estudiosos é que, cinco dias depois do nascimento, um novo sequenciamento genético do coronavírus do bebê mostrou que a população de vírus havia sofrido uma mutação e continha uma versão diferente da COVID-19 junto com a cepa original da mãe sendo o primeiro caso de alteração genética do coronavírus no cenário de transmissão materno-fetal antes do nascimento.

    Embora seja comum que os vírus sofram mutação, a mutação do recém-nascido, chamada cientificamente A107G, foi considerada rápida demais. Especialistas acreditam que as mudanças genéticas podem ter sido estimuladas pelo contato do bebê com o ambiente externo fora do útero da mãe.

    As descobertas mais importantes foram as mudanças observadas na placenta. O órgão, que leva sangue e nutrientes para o feto, remove os resíduos e é crítico para o crescimento e o bem-estar do feto, apresentou danos em metade do tecido. O estudo foi publicado no British Journal of Obstetrics and Gynecology.

    "Houve inflamação generalizada e encontramos a proteína do coronavírus tanto no lado materno quanto no feto da placenta. Também encontramos proteína de coronavírus em todas as áreas que foram danificadas pela inflamação", comunicou a equipe.

    A mãe teve uma recuperação rápida de sua infecção viral e recebeu alta quatro dias após o parto, mas o bebê precisou de cuidados neonatais por ter nascido prematuro cerca de cinco semanas mais cedo que o normal.

    Enfermeira segura recém-nascido, durante a pandemia do coronavírus, em maternidade de Paris, França, 17 de novembro de 2020
    © AFP 2021 / Martin Bureau
    Enfermeira segura recém-nascido, durante a pandemia do coronavírus, em maternidade de Paris, França, 17 de novembro de 2020

    Foi divulgado que a criança desenvolveu anticorpos contra o coronavírus e não apresentou sintomas graves. Portanto, foi o próprio sistema imunológico do bebê que neutralizou o vírus, pois os médicos não encontraram anticorpos no leite materno.

    Raro, porém não menos importante

    Estudos anteriores relataram rápida insuficiência placentária e ritmo cardíaco fetal anormal, características semelhantes ao encontrado neste estudo. Já houve notificação de milhares de mulheres grávidas infectadas pelo novo coronavírus em todo o mundo e a transmissão no útero parece ser uma complicação rara da doença durante a gravidez provavelmente devido à barreira placentária que protege o bebê no útero da maioria das infecções.

    Foi concluído que são casos raros em que o coronavírus pode danificar a placenta, levando à falta de oxigênio no feto, mesmo que a mãe tenha um caso leve da infecção no final da gravidez.

    As descobertas feitas na Suécia sugerem que o monitoramento de grávidas com COVID-19 deve ser repensando, e elas deveriam ser consideradas um grupo de risco mais importante.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de março de 2021 (94)

    Mais:

    STF tem maioria contra ação que defende interrupção da gravidez em mulheres com zika
    Taxa de transmissão da COVID-19 cai no Brasil, mas não suficiente para curva da doença diminuir
    Cientistas revelam um dos possíveis cenários de transmissão do SARS-CoV-2 de animal para humano
    Tags:
    contaminação, novo coronavírus, mutação, parto, gestação, COVID-19, recém-nascidos, grávida
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar