15:23 21 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 81
    Nos siga no

    Uma série de imagens de satélite de uma zona ártica da Rússia intrigou os cientistas da agência espacial norte-americana.

    Nesta semana, pesquisadores da NASA publicaram no portal Earth Observatory imagens de uma área do nordeste da Sibéria, registradas pelo satélite Landsat 8 durante vários anos.

    Nestas fotos, o terreno de ambos os lados do rio Markha apresenta uma sequência de linhas ou estrias escuras e claras alternadas, mais compactas nas zonas de grande inclinação e maiores onde o declive é suave, até sumirem em direção às margens.

    Imagem das linhas ou estrias escuras e claras registradas pelo satélite Landsat 8
    Imagem das linhas ou estrias escuras e claras registradas pelo satélite Landsat 8

    Esta peculiaridade é visível em todas as temporadas do ano, embora tenha maior presença no inverno, quando a neve aumenta o contraste.

    Alguns especialistas acreditam que essa zona do planalto central siberiano, por estar localizada dentro do círculo polar ártico, com 90% do tempo coberta por pergelissolo (que em algumas ocasiões se derrete por pequenos períodos e volta a congelar), pode formar estranhos padrões de várias formas.

    Imagem do planalto central registrada pelo satélite Landsat 8
    Imagem do planalto central registrada pelo satélite Landsat 8

    No entanto, em outros lugares, estes padrões tendem ter uma escala menor que os registrados na Sibéria.

    Os pesquisadores de geomorfologia acreditam que, em regiões frias, a terra pode se converter em gelissolo, um solo com pergelissolo nos dois metros superiores, onde as camadas escuras e claras normalmente se diferenciam em função da predominância de matéria orgânica ou mineral e de seu conteúdo de sedimentos.

    À medida que o solo se congela e derrete, as camadas se abrem e mesclam verticalmente. Com a repetição destes ciclos durante certo período de tempo, as camadas podem se alinhar e formar padrões estriados.

    Para Thomas Crafford, pesquisador do Serviço Geológico dos EUA, as estrias refletem um padrão de rochas sedimentares conhecido como "geologia de massa folhada", onde estas camadas rochosas foram expostas e dissecadas pela erosão.

    Mais:

    IMAGENS de camelos são descobertas esculpidas em presa de mamute de 13 mil anos na Sibéria
    Sibéria foi grande centro da civilização na antiguidade, explica pesquisa (FOTO)
    Fóssil de mamute 'adolescente' é encontrado no norte da Sibéria (FOTOS)
    Tags:
    cientistas, satélite, agência espacial, NASA, Sibéria, Rússia, estudo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar