15:48 12 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    120
    Nos siga no

    Novo estudo da NASA indica que formas de vida terrestres poderiam sobreviver temporariamente a uma atmosfera semelhante à de Marte, o que ajudará os cientistas a entender melhor a possibilidade de explorar ambientes além do nosso planeta.

    Estudo da NASA e do Centro Aeroespacial Alemão (DLR, na sigla em alemão) testou a resistência de microrganismos, depois de lançá-los em condições semelhantes às de Marte em balões que voaram em elevadas altitudes, vindo a descobrir que pelo menos alguns deles conseguiram sobreviver à viagem.

    "Nós testamos com sucesso uma nova maneira de expor bactérias e fungos a condições semelhantes às de Marte usando um método científico de utilização de balão científico a fim de lançar o nosso equipamento experimental até a estratosfera da Terra", disse Marta Filipa Cortesão, coautora da pesquisa, escreve Independent.

    No âmbito do estudo publicado na revista Frontiers in Microbiology, foram coletados microrganismos associados à vida na Terra e enviados à estratosfera para criar condições mais próximas das de Marte e quase impossíveis de recriar no nosso planeta.

    Os micróbios foram lançados dentro de MARSBOx (Micróbios na atmosfera para a experiência de radiação, sobrevivência e resultados biológicos) que foi mantida a uma pressão equivalente à atmosfera de Marte inflada com uma atmosfera artificial durante toda a missão.

    Imagem registrada da cratera na superfície de Marte
    Imagem registrada da cratera na superfície de Marte

    "A caixa transportava duas camadas de amostras, com a camada inferior protegida da radiação, o que nos permitiu separar os efeitos da radiação das outras condições testadas: dessecação, atmosfera, e oscilação de temperatura durante o voo", detalhou Cortesão.

    Cientista explicou que as amostras da camada superior foram expostas a níveis de radiação ultravioleta mil vezes superiores aos níveis que podem causar queimaduras na nossa pele.

    O estudo descobriu que, embora nem todos os micróbios sobreviveram aos testes, o fungo Aspergillus niger poderia ser revivido após ser trazido de volta à Terra. Anteriormente, o mesmo fungo foi detectado na Estação Espacial Internacional.

    Pesquisa enfatiza a importância dos micróbios na exploração de possibilidades de vida e sobrevivência humana fora do nosso planeta.

    Mais:

    Algas podem ser a chave para sustentar presença humana em Marte, dizem cientistas
    Marte a cores: rover da NASA envia primeiras FOTOS coloridas do Planeta Vermelho
    Cientista considera possibilidade de Marte ter cidade com 1 milhão de habitantes até 2100
    Tags:
    fungos, radiação, Marte, NASA, Estação Espacial Internacional, microrganismos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar