02:11 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Pandemia da COVID-19 no mundo em meados de fevereiro de 2021 (110)
    110
    Nos siga no

    Com a comprovação da alta eficácia após a primeira dose, aumenta o debate sobre a necessidade de aplicar a segunda dose apenas 21 dias depois da primeira inoculação.

    A primeira dose da vacina desenvolvida pela Pfizer em parceria com a BioNTech contra a COVID-19 tem 85% de eficácia, revela estudo com profissionais de saúde em hospital de Israel. Os resultados foram publicados na revista científica The Lancet nesta sexta-feira (19).

    Os cientistas acompanharam 9.000 profissionais de saúde no hospital Sheba, perto de Tel Aviv, Israel. Cerca de 7.000 receberam a primeira dose da vacina e o restante não foi inoculado. Comparando os dois grupos, os pesquisadores calcularam que a vacina foi 47% eficaz entre um e 14 dias após a inoculação, aumentando para 85% entre 15 e 28 dias após a vacinação.

    "O que vimos foi uma eficácia realmente alta logo após duas semanas, [e] entre duas semanas a quatro semanas após a vacina, já alta eficácia de 85% de redução da infecção sintomática", comemora Gili Regev-Yochay, coautora do estudo, citada pela agência AFP.

    A cientista acrescentou que apesar da vacina ser "incrivelmente eficaz", os pesquisadores ainda estão estudando se pessoas vacinadas podem transmitir o vírus a outras.

    "Essa é a grande, grande questão. Estamos trabalhando nisso. Isso não está neste estudo e espero que tenhamos boas notícias em breve", disse Regev-Yochay.

    A Pfizer não comentou o estudo, afirmando em comunicado que estava fazendo sua própria análise da "eficácia da vacina no mundo real em vários locais ao redor do mundo, incluindo Israel". A empresa espera usar dados israelenses para analisar o potencial da vacina para proteger contra novas variantes do SARS-CoV-2, disse a farmacêutica.

    Esta semana nos EUA, pesquisadores pediram aos governos que atrasem a administração da segunda dose da vacina da Pfizer contra a COVID-19. "Dada a atual escassez da vacina, o adiamento da segunda dose é uma questão de segurança nacional que, se ignorada, certamente resultará em milhares de hospitalizações e mortes relacionadas à COVID-19", alertaram os cientistas.

    Israel já aplicou a vacina da Pfizer em 4,23 milhões de residentes, cerca de 47% de sua população, sendo que 2,85 milhões já receberam a segunda dose do inoculante.

    Tema:
    Pandemia da COVID-19 no mundo em meados de fevereiro de 2021 (110)

    Mais:

    Problemas cardíacos são diagnosticados em mais de metade dos internados com COVID-19 grave
    EUA: expectativa de vida cai para nível mais baixo em 15 anos devido à COVID-19
    Nova cepa da COVID-19, possivelmente mais contagiosa, é descoberta na Noruega
    Texugos e coelhos podem ter sido os primeiros vetores da COVID-19 na China, diz OMS
    Tags:
    vacinação, vacina, Israel, novo coronavírus, Pfizer, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar