01:34 07 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 0 0
    Nos siga no

    Novo estudo revelou que os humanos modernos não herdaram de neandertais apenas a predisposição genética para a COVID-19 grave, mas também um fator que reduz a necessidade de terapia intensiva.

    No ano passado, os cientistas descobriram que um gene herdado de nossos ancestrais neandertais aumenta as chances de desenvolvimento de falência respiratória e até de morte do paciente. No entanto, o novo estudo mostrou como os genes contribuem para nossa proteção contra o vírus.

    Os cientistas descobriram que os humanos modernos receberam dos neandertais uma região no 12º cromossomo. Esta parte do cromossomo reduz em cerca de 20% o risco da necessidade de terapia intensiva durante infecção com novo coronavírus, de acordo com o estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

    Genes particulares nesta região, chamados OAS, regulam a atividade de uma enzima que quebra genomas virais. Ou seja, a região codifica proteínas que ativam enzimas que são cruciais no combate contra infecções com vírus de RNA.

    Os pesquisadores descobriram que em pessoas que possuem a variante neandertal da enzima o mesmo combate contra as infecções é realizado de forma mais eficiente, o que reduz a necessidade da terapia intensiva durante infecção com o coronavírus em 20%.

    Como comentou o pesquisador Hugo Zeberg, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, Alemanha e do Departamento de Neurologia do Instituto Karolinska, Suécia, esta herança é uma faca de dois gumes.

    "Isto mostra que nossa herança dos neandertais é uma faca de dois gumes quando se trata de nossa resposta ao SARS-CoV-2. Eles nos deram variantes pelas quais podemos os amaldiçoar e agradecer", disse Zeberg.

    Cerca da metade da população fora da África tem a variante protetora do gene dos neandertais, segundo o doutor Svante Paabo, diretor no Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva.

    "Também é impressionante que duas variantes genéticas herdadas dos neandertais afetam os resultados da COVID-19 em direções opostas. Hoje seu sistema imunológico nos afeta obviamente de forma positiva e negativa simultaneamente", segundo Svante Paabo.

    Mais:

    Vizinho de dinossauros: nova espécie extinta descoberta na Argentina
    Ainda mais? Cientistas avaliam possibilidade de surgimento de novos coronavírus
    Descoberta herança denisovana em traços faciais dos latino-americanos
    Fóssil de amonite pré-histórico em forma de 'casquinha de sorvete' é encontrado no Japão (FOTO)
    Tags:
    pandemia, terapia, UTI, neanderthal, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar