15:06 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Brasil e COVID-19 em meados de fevereiro de 2021 (80)
    0 50
    Nos siga no

    Primeira morte documentada por recorrência da COVID-19 foi de um sergipano. O caso traz à tona o debate da falsa sensação de imunização após primeiro contágio e a importância de manter protocolos de proteção.

    Um farmacêutico de 44 anos morreu após recorrência da infecção do coronavírus, em Aracaju, no Sergipe. O caso, registrado por pesquisadores da Universidade Federal de Sergipe, é considerado o primeiro registro documentado no país e foi publicado no Journal of Infection na última sexta-feira (12).

    No artigo científico são citados 33 casos de recorrência da COVID-19 em profissionais de saúde de Sergipe, todos confirmados pelo exame RT-PCR, considerado o mais eficaz para confirmação da doença.

    O profissional que faleceu teve a doença confirmada pelo exame pela primeira vez em maio de 2020, mas após alguns dias de sintomas leves voltou à linha de frente de atendimento de pacientes. Em junho, pouco mais de um mês depois, o homem apresentou sintomas mais graves e a COVID-19 foi confirmada em um segundo exame RT-PCR. Após internação, o farmacêutico não resistiu e morreu no dia 2 de julho.

    Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe
    © Foto / Divulgação / Azael Neto
    Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe
    "É um resultado importante porque o vírus está associado à morte em uma recorrência. No primeiro episódio foi um caso bem leve. Ele voltar a apresentar sintomas da doença nesse intervalo já é algo incomum, e o desfecho de morte é inédito", disse Roque Pacheco de Almeida, chefe do Laboratório de Imunologia e Biologia Molecular do Hospital Universitário de Sergipe ao portal UOL.

    Almeida, que assina o estudo com outros profissionais, informou ser impossível afirmar que tenha sido um caso de recidiva ou de uma reinfecção. Mesmo assim, os pesquisadores destacam no artigo que episódios como esses reforçam a necessidade de vigilância contínua sem uma suposição de proteção após um primeiro contágio da doença.

    Tema:
    Brasil e COVID-19 em meados de fevereiro de 2021 (80)

    Mais:

    Cientistas britânicos testam coquetel que pode prevenir infecção causada pela COVID-19
    Turquia revela 15 casos de infecção com cepa 'britânica' de coronavírus
    Reveladas diferenças entre anticorpos após infecção pela COVID-19 e após vacinação
    Anticorpo de infecção de 2003 revela 'calcanhar de Aquiles' do coronavírus
    Tags:
    contágio, imunização, Universidade Federal de Sergipe, Sergipe, infecção, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar