11:39 05 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 110
    Nos siga no

    Pesquisadores estudaram os genes de mais de 6.000 pessoas do Brasil, México, Colômbia, Peru e Chile e encontraram uma região genômica que pode ser proveniente de hominídeos extintos.

    Cientistas identificaram 32 regiões genômicas (áreas do genoma) em pessoas da América Latina que estão associadas com a formação de certas características anatômicas faciais, das quais uma se verificou ser herdada dos denisovanos, uma espécie extinta de hominídeos, segundo uma pesquisa publicada na revista Science Advances.

    A base genética da formação das características faciais é de grande interesse prático para o evolucionismo, biomedicina e medicina forense. Uma ferramenta chave nestas pesquisas é o estudo de associação genômica (GWAS), ou seja, a associação entre fenótipos e genótipos. Neste caso, os cientistas estudaram os traços anatômicos faciais.

    Pesquisadores de 13 países, liderados pela Universidade do Colégio de Londres, a Universidade Aberta do Reino Unido e a Universidade de Aix-Marseille, em França, realizaram um estudo da GWAS de 8,7 milhões de polimorfismos de um único nucleotídeo em 6.169 pessoas do Brasil, México, Colômbia, Peru e Chile. Estima-se que seu patrimônio genético seja, em média, 51% europeu, 45% nativo-americano e 4% africano.

    Os cientistas determinaram 19 pontos faciais e 22 pontos semilaterais nas fotografias bidimensionais dos perfis dos participantes, com os quais os cientistas procuraram associações no genoma.

    No total, os pesquisadores apontaram a associação de 32 traços, por exemplo, altura da testa, comprimento do nariz, largura do lábio, com pelo menos uma (no máximo seis) das 32 regiões do genoma. Trata-se da primeira vez que a associação de nove dessas regiões com características faciais é encontrada.

    Curiosamente, uma das regiões genômicas encontradas, a WARS2/TBX15, associada à forma dos lábios, sobrepõe-se a um fragmento de material genético introduzido por humanos arcaicos, muito provavelmente denisovanos.

    Vestígios de seu DNA são encontrados em aborígenes americanos e nos habitantes da Oceania, mas não em europeus.

    Segundo os pesquisadores, a variante denisovana do gene TBX15 poderia estar envolvida na formação de depósitos de gordura, que permitiram a adaptação desses antigos hominídeos ao clima frio siberiano, mesmo antes de sua transmissão para os humanos modernos.

    Mais:

    Homo sapiens levaram 100 mil anos para substituir neandertais, diz especialista
    Encontrado DNA de ancestral desconhecido no genoma de humanos modernos
    Povos das Américas e polinésios poderiam ter tido contato séculos antes da chegada dos europeus
    Tags:
    França, Reino Unido, Science Advances, América Latina, Chile, Peru, Colômbia, México, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar