02:59 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 21
    Nos siga no

    Nova imagem obtida com o telescópio espacial Hubble da NASA mostra HH46 e HH47, dois objetos Herbig-Haro localizados a 1.400 anos-luz de distância da Terra.

    HH46 e HH47 fazem parte dos objetos espaciais denominados Herbig-Haro, que pertencem a fenômenos transitórios e viajam para longe da estrela que os criou a uma velocidade de até 250.000 km/h. Depois de um período, desaparecem no espaço em algumas dezenas de milhares de anos. HH46 e HH47 estão a 1.400 anos-luz de distância localizados na constelação de Vela, segundo o SCI News.

    Imagem registrada pelo telescópio Hubble mostra HH46 e HH47
    © Foto / NASA / ESA / Hubble / B. Nisini
    Imagem registrada pelo telescópio Hubble mostra HH46 e HH47

    Na verdade, o fenômeno são manchas brilhantes de nebulosidade associadas a estrelas recém-nascidas, que se formam quando jatos estreitos de gás parcialmente ionizados são ejetados por estrelas que colidem com nuvens próximas de gás e poeira. 

    "Antes de sua descoberta em 1977 pelo astrônomo americano RD Schwartz, o mecanismo exato pelo qual esses objetos multicoloridos se formavam era desconhecido. O mistério foi resolvido quando uma protoestrela, não vista nesta imagem, foi descoberta no centro dos longos jatos de matéria", disse os astrônomos do Hubble citados pela mídia.

    Os objetos Herbig-Haro foram observados pela primeira vez no século XIX, mas não foram reconhecidos como um tipo distinto de nebulosa de emissão até os anos 1940.

    Os primeiros astrônomos a estudá-los em detalhes foram George Herbig e Guillermo Haro, e por isso, o fenômeno recebeu o nome de Herbig-Haro.

    Mais:

    'Civilização industrializada'? NASA procura por sinais de poluição para encontrar alienígenas
    NASA publica FOTO de fusão de galáxias colorida com 25 fontes de raios X
    Rover chinês Yutu 2 descobre 'rocha incomum' no lado oculto da Lua (FOTOS)
    Tags:
    espaço, astronomia, Hubble, NASA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar