07:28 28 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Pandemia da COVID-19 no mundo em meados de fevereiro de 2021 (110)
    4322
    Nos siga no

    Médicos e epidemiologistas da OMS que estiveram em missão em Wuhan, na China, criticaram o New York Times por distorcer suas palavras e lançar sombras sobre os esforços da equipe que visitou a região para descobrir as origens do vírus.

    Depois que o NYT publicou uma reportagem afirmando que autoridades chinesas se recusaram a colaborar plenamente com os esforços de uma investigação da Organização Mundial de Saúde (OMS), o zoólogo Peter Daszak saiu em defesa da China.

    Na reportagem, parte da imprensa norte-americana escreve que "na viagem da OMS, a China se recusou a entregar dados importantes", acusando o governo chinês de não compartilhar dados importantes que podem ajudar a identificar as origens do vírus e prevenir surtos futuros.

    Após a história ter se popularizado nas redes sociais, Peter Daszak, que fez parte da equipe de especialistas da OMS em Wuhan, na China, disse em uma rede social que é vergonhoso para o New York Times citar erroneamente especialistas da entidade para encaixar sua própria narrativa.

    Esta não foi minha experiência em missão na OMS. Como líder do grupo de trabalho animal/meio ambiente, encontrei confiança e abertura com meus colegas da China. Nós tivemos acesso amplo a todos os novos dados. Nós aumentamos o nosso entendimento sobre os prováveis caminhos.

    "Ouvir! Ouvir! É decepcionante gastar tempo com jornalistas explicando as principais descobertas de nosso exaustivo trabalho de um mês na China, para ver nossos colegas seletivamente citados erroneamente para se encaixar em uma narrativa que foi prescrita antes do início do trabalho. Que vergonha NYT!", escreveu Daszak em outra postagem.

    Thea Kolsen Fischer, epidemiologista dinamarquesa da equipe, enalteceu a postura de Daszak. Ela também se posicionou nas redes.

    Esta tampouco foi minha experiência no setor epidemiológico. Nós construímos, sim, uma boa relação com a equipe chinesa/internacional de epidemiologia. A permissão de argumento acalorados reflete um profundo nível de engajamento em uma divisão. Nossas anotações estão intencionalmente distorcidas, lançando, assim, uma sombra sobre importante trabalho científico.

    Tema:
    Pandemia da COVID-19 no mundo em meados de fevereiro de 2021 (110)

    Mais:

    É impossível identificar como SARS-CoV-2 surgiu no mercado de Wuhan com dados atuais, diz OMS
    'Há evidências': Pompeo critica versão da OMS de que fuga do SARS-CoV-2 de laboratório é improvável
    OMS: painel de especialistas recomenda uso amplo da vacina AstraZeneca contra COVID-19
    Tags:
    mídia ocidental, mídia social, mídia, imprensa, COVID-19, vírus, EUA, OMS, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar