04:59 22 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 0 0
    Nos siga no

    Plasma com anticorpos contra o coronavírus não é aplicável a todos os infectados. Além disso, grande parte dos doentes lida com a COVID-19 sem ajuda, explica Aleksandr Kostin, chefe de um dos departamentos do Instituto de Pesquisa Científica de Emergências Sklifosovsky.

    Anteriormente, o médico informou que deixou de se coletar o plasma anticoronavírus das pessoas que tiveram forma grave da COVID-19. No momento, o material está sendo coletado apenas após infecção leve ou sem sintomas. Segundo o especialista, agora a maioria de doadores do plasma são pessoas recuperadas da forma leve ou assintomáticas que mostram altos níveis de anticorpos.

    "Prescrever a transfusão de plasma com anticorpos contra a COVID-19 cedo demais, quando não é certo qual será o cenário em que decorrerá a doença, ou seja, em pacientes que têm a doença na forma leve, é incorreto. Deve-se entender como o paciente reage. Prescrever tarde demais, quando o paciente já está no ventilador pulmonar ou tem a doença há mais de dez dias, também é mau. Neste caso, o plasma já não funcionará. É necessário pegar essa 'janela', quando a doença já está progredindo, mas os anticorpos ainda faltam", explicou o médico russo.

    Entretanto, o especialista notou que a maioria dos infectados conseguem lidar com o coronavírus sozinhos.

    "Nossa intervenção é requerida apenas nos [pacientes] que desenvolvem um cenário desfavorável: febre contínua, lesões pulmonares progressivas, baixo teor de anticorpos", adicionou Kostin.

    Agora, especialistas de todo o mundo estão desenvolvendo tratamentos contra a COVID-19. Entre as melhores medidas de terapia de suporte está a oxigenoterapia para pacientes com forma grave da infecção, bem como o apoio intensivo da função respiratória nos pacientes em estado crítico.

    Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, a dexametasona pode reduzir o prazo de ventilação artificial, enquanto a tomada de tais medicamentos como remdesivir, hidroxicloroquina, lopinavir/ritonavir ou interferon demonstra pouca ou nenhuma eficácia no tratamento da COVID-19. A OMS não recomenda automedicação com quaisquer remédios, incluindo antibióticos, para prevenção da infecção ou tratamento de seus sintomas.

    Mais:

    OMS rebate Trump e diz que uso de plasma contra COVID-19 ainda não tem eficácia assegurada
    Estudo revela se plasma convalescente ajuda na recuperação da COVID-19
    Butantan avança em testes de soro contra COVID-19 com plasma de cavalo
    Tags:
    anticorpos, plasma, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar