02:39 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    650
    Nos siga no

    O orbitador da missão ExoMars 2016, um projeto conjunto da Roscosmos e Agência Espacial Europeia, encontrou em Marte cloreto de hidrogênio, surgido através de um processo ainda desconhecido.

    Instrumento russo a bordo do orbitador da missão ExoMars 2016 foi o primeiro a detectar cloreto de hidrogênio (HCI) na atmosfera de Marte por medições diretas, comunicou Roscosmos, agência espacial da Rússia.

    "O cloreto de hidrogênio [HCI] foi detectado pela primeira vez na atmosfera de Marte por medições diretas. A descoberta foi feita pelo espectrômetro russo Atmospheric Chemistry Suite [ACS] da nave espacial Trace Gas Orbiter [TGO] do projeto russo-europeu ExoMars 2016", informa a Roscosmos.

    A substância teria aparecido durante uma tempestade global de poeira e desapareceu gradualmente após seu fim.

    "O fato de que o cloro foi registrado durante uma tempestade de poeira sugere a existência de uma interação entre a superfície e a atmosfera, algo que não foi considerado antes. É possível encontrar seus análogos na Terra, [pois já] foi encontrada alguma confirmação indireta em experimentos de laboratório", afirma Oleg Korablev, diretor adjunto do Instituto de Pesquisa Espacial da Academia de Ciências da Rússia e autor principal do estudo.

    Até agora, sabia-se da existência do HCI na Terra e em Vênus. Na Terra, o gás entra no ar a partir do mar, quando partículas de sal marinho se transformam em aerossóis. Em Vênus, ele se decompõe na atmosfera sob ação da luz solar e é um fator importante na estabilidade da atmosfera composta de dióxido de carbono.

    "Esta é a primeira detecção de gás halogênio na atmosfera de Marte e representa um ciclo químico novo que teremos de entender", observou o professor Kevin Olsen, da Universidade de Oxford, Reino Unido, sobre o estudo publicado na revista Science Advances.

    Segundo as duas principais hipóteses sobre o aparecimento do cloreto de hidrogênio, sua origem pode estar nas partículas de poeira levantadas da superfície ou durante erupções vulcânicas na Terra. No entanto, neste caso o aumento da concentração do HCI deveria corresponder a eventos sísmicos em Marte, algo que os cientistas ainda não registraram.

    "Além disso, o fato de coincidir com o início e o fim de tempestades de poeira leva à suposição de que a fonte de cloro se encontra mesmo na superfície", sublinha a Roscosmos.

    Ainda não se conhece o mecanismo de transformação do cloro de um componente de minerais marcianos em cloreto de hidrogênio, bem como se o HCI desaparece ou não após uma tempestade de poeira.

    O TGO é uma sonda parte do projeto ExoMars, uma colaboração da Roscosmos e da Agência Espacial Europeia com o objetivo de estudar Marte. Um de seus principais objetivos é procurar gases que possam indicar atividade vulcânica e possivelmente biológica em Marte. O aparelho ACS trabalha em conjunto com o complexo espectrométrico belga NOMAD.

    Mais:

    NASA divulga VÍDEO de pulso de luz ultravioleta no céu noturno de Marte
    Colonização de Marte? Criado reator híbrido que converte gás carbônico em alimento (FOTOS)
    Sonda da NASA descobre 'camadas' e 'fissuras' na atmosfera superior de Marte
    IMAGEM 3D revela 'agitado' polo norte de Marte
    Tags:
    Vênus, Reino Unido, Universidade de Oxford, Science Advances, Roscosmos, Agência Espacial Europeia (ESA), ExoMars, Terra, Marte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar