05:54 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 21
    Nos siga no

    Um inusitado coração, desenhado por filamentos de gás em um intrincado arranjo semelhante a um favo de mel, foi descoberto no centro das reminiscências da icônica supernova Nebulosa do Caranguejo.

    Astrônomos mapearam o fenômeno com detalhes sem precedentes, em uma reconstrução tridimensional realista que foi publicada no Monthly Notices of the Royal Astromic Society.

    A Nebulosa do Caranguejo, formalmente conhecida como Messier 1, explodiu como uma dramática supernova em 1054 d.C., e suas reminiscências, desde então, têm sido estudadas por astrônomos profissionais e amadores, em todo o mundo. Apesar dessa rica história de pesquisa, muitas perguntas permanecem sobre que tipo de estrela estava originalmente lá e como a primeira explosão teria acontecido.

    Thomas Martin, pesquisador da Universidade Laval, que capitaneia o estudo, espera responder a essas perguntas usando uma nova reconstrução 3D da Nebulosa do Caranguejo. "Os astrônomos agora serão capazes de se mover em torno e dentro da Nebulosa do Caranguejo e estudar cada filamento, um por um", disse Martin.

    A equipe usou o poderoso espectrômetro de imagem SITELLE no Telescópio Canadá-Havaí-França (CFHT) em Mauna Kea, Havaí, para comparar a forma 3D da Nebulosa do Caranguejo com outras duas supernovas remanescentes, e fez a notável descoberta de que as três remanescentes tinham material ejetado disposto em forma de grandes anéis, o que sugere a mistura turbulenta das partículas e, ainda, plumas radioativas se expandindo de um núcleo de ferro, após o colapso.

    Mais:

    Descoberta corrente estelar de quase 500 estrelas formadas ao mesmo tempo
    Galáxia anã pode ajudar na compreensão da formação estelar
    Astrônomos descobrem rara explosão no centro da Via Láctea perto de buraco negro supermassivo (FOTO)
    Grande explosão estelar pode ter desencadeado Era do Gelo na Terra
    Tags:
    espaço, supernova, coração, explosão, nebulosa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar