08:09 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Situação mundial da COVID-19 no início de fevereiro de 2021 (80)
    0 40
    Nos siga no

    Médicos dos EUA que observaram casos de reinfecção entre pacientes recuperados da COVID-19 acreditam que há duas causas possíveis: a reinfecção devido ao sistema imunológico fraco e a reativação do vírus remanescente no corpo.

    Cientistas norte-americanos da Escola de Medicina da Universidade de Yale, EUA, descreveram o caso de um paciente, recuperado da COVID-19 que, depois de quatro meses sem ter sintomas e uma série de testes PCR negativos, ficou infetado de novo, segundo estudo publicado na revista BMJ Case Reports.

    O homem de 40 anos tinha sido hospitalizado pela primeira vez em abril de 2020. Apresentava dificuldade respiratória, acompanhada por sibilos.

    O paciente tinha um histórico de diversos fatores agravantes - diabetes tipo 2, insuficiência da tiróide e obesidade. No hospital, a dificuldade respiratória se agravou, por isso passou para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), tendo sido medicado com anticoagulantes e outros remédios usados para tratar a COVID-19.

    Durante os dois meses que o paciente esteve no hospital, sofreu sérias complicações: infecção por Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA), sangramento gastrointestinal, pneumonia associada à ventilação mecânica e insuficiência renal. Mas ele acabou se recuperando e recebeu alta.

    Nos três meses seguintes, o homem fez três testes para a COVID-19, todos negativos. Quatro meses depois, em agosto de 2020, outro teste PCR deu positivo para o SARS-CoV-2 e, mais duas semanas depois, o homem foi hospitalizado com dispneia após ter vários episódios de asma em casa. Neste caso, a doença foi mais leve e o paciente passou apenas uma semana no hospital.

    O homem explicou aos médicos que, depois da recuperação da COVID-19 quase não comunicou com ninguém além dos familiares próximos, nenhum deles teve sintomas do coronavírus ou teste positivo.

    Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos indicam em suas diretrizes que um resultado positivo do teste PCR 90 dias após a primeira infecção significa mais a secreção de restos do vírus do que a reinfecção.

    No entanto, como passou muito mais tempo desde a infecção inicial, os pesquisadores concluem que o paciente teve dois episódios separados de infecção, mas que no segundo caso a doença foi mais leve devido à imunidade residual da primeira infecção.

    "Com a progressão da pandemia da COVID-19, aparecem mais relatos mostrando que a reinfecção com o SARS-CoV-2 é possível, portanto um teste positivo para o SARS-CoV-2 não indica necessariamente uma excreção persistente do vírus durante um longo período de tempo", indicam os autores do estudo.

    O Brasil já registrou 9.396.293 casos, 228.795 mortes e 8.366.197 pacientes recuperados da COVID-19. No mundo há 104.886.168 casos confirmados, 2.284.686 óbitos e 58.322.664 recuperados.

    Tema:
    Situação mundial da COVID-19 no início de fevereiro de 2021 (80)

    Mais:

    'COVID-19 de laboratório' é teoria pouco provável, diz líder da investigação da OMS na China
    Cientistas explicam capacidade de novas cepas da COVID-19 de resistir aos anticorpos
    Venda de remédios sem eficácia contra a COVID-19 dispara: ivermectina tem salto de 557% no Brasil
    Cientistas nomeiam mais uma vitamina cujo déficit é ligado à forma grave da COVID-19
    Tags:
    hospital, imunidade, infecção, novo coronavírus, pandemia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar