02:18 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 140
    Nos siga no

    Os cientistas chineses esperam que a sonda Tianwen-1 entre na órbita de Marte em 10 de fevereiro e comece a enviar dados para a nova antena refletora.

    Os últimos testes da maior antena refletora da Ásia, desenvolvida pela China, foram concluídos com sucesso na quinta-feira (4). Dessa forma, o equipamento está pronto para receber dados da primeira missão de Pequim em Marte, chamada Tianwen-1, reporta o jornal chinês Global Times.

    A capacidade de receber esses dados é crucial para o sucesso da primeira missão de exploração de Marte pela China, comenta Li Chunlai, vice-designer-chefe do projeto. "Para ser mais clara, enviar dados de volta é como apontar um ponteiro laser sobre a sonda na Terra", descreve Li à mídia.

    A antena de alto desempenho, entregue aos Observatórios Astronômicos Nacionais da Academia Chinesa de Ciências, tem 72 metros de altura e pesa 2.700 toneladas. Composta por 1.328 painéis de alta precisão, tem o tamanho aproximado de 286 metros de comprimento por 150 metros de largura. O diâmetro do refletor principal é de até 70 metros.

    A construção da antena refletora chinesa começou em 2018, em Tianjin, e foi especialmente projetada para a missão de Tianwen-1 no Planeta Vermelho. Tianwen-1 agora está acelerando em direção ao seu destino, a uma distância de 170 milhões de quilômetros da Terra.

    Espera-se que a sonda chegue ao campo gravitacional do Planeta Vermelho na próxima semana, realize uma manobra de frenagem e entre na órbita de Marte por volta de 10 de fevereiro, um dia antes da véspera do Ano Novo Chinês.

    Várias cargas úteis a bordo da espaçonave serão ligadas uma após a outra e retornarão dados, o que significa que as "horas mais intensas de trabalho" para a antena chegaram, explica Wang Yanan, editor-chefe da revista Aerospace Knowledge, ao jornal.

    "Além do tamanho da antena, outro fator importante é a precisão na detecção da direção do sinal", comenta Wang. Se a antena falhar em ajustar o ângulo em direção à origem, ela não poderá receber dados.

    A sonda Tianwen-1 foi lançada em julho de 2020 e faz parte do ambicioso projeto da Administração Espacial Nacional da China (CNSA, na sigla em inglês), que visa implantar um orbitador e uma espaçonave na superfície de Marte. Se o pouso do veículo for bem-sucedido, a China se tornará o segundo país a operar um veículo espacial com sucesso no Planeta Vermelho, depois dos EUA.

    Mais:

    Há 3 bilhões de anos, Marte tinha clima parecido com o da Islândia, diz estudo
    Mineral abundante em Marte, mas raro na Terra, é encontrado na Antártica
    Vida poderia estar escondida debaixo da superfície de Marte, aponta estudo
    Dinamarca criará 1ª ilha de energia renovável do mundo no mar do Norte
    Tags:
    cientistas, dados, sonda espacial, Marte, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar