06:13 29 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Situação mundial da COVID-19 no início de fevereiro de 2021 (80)
    0 20
    Nos siga no

    Cientistas alertam sobre a redução da fertilidade entre homens recuperados da COVID-19, pois há a possibilidade de que os espermatozoides dos infectados fiquem mais lentos e sua quantidade diminua de forma significativa.

    Os cientistas da Universidade de Ciência e Tecnologia de Huzhong, em Wuhan, China, realizaram uma análise de relatórios existentes sobre possíveis mecanismos do vírus SARS-CoV-2 que poderiam afetar a reprodução masculina.

    Embora não possam afirmar com confiança que há uma redução clara da fertilidade, os cientistas advertiram que há toda a razão para prestar muita atenção sobre essa possibilidade.

    O vírus entra no corpo usando o receptor ACE2 humano, deixando traços de sua presença em todas as partes do organismo, e o tecido dentro dos testículos poderia ser mais um de seus alvos. Estudos anteriores encontraram presença do vírus em amostras de sêmen, o que aumenta a necessidade de pesquisas adicionais sobre a questão.

    No entanto, os resultados dos estudos não foram tão consistentes. Pesquisas anteriores realizadas com o antecessor do vírus SARS-CoV-2, o SARS-CoV-1, também negaram as sérias preocupações sobre a vulnerabilidade dos testículos, pois a maioria dos estudos falhou em encontrar qualquer prova do vírus dentro de seus tecidos.

    Contudo, os estudos atuais estão a favor do argumento de que o tecido dos testículos pode estar sendo danificado pelo impacto direto do coronavírus.

    Pesquisa realizada por cientistas da Universidade de Giessen, Alemanha, e da Universidade de Allameh Tabatabai, Irã, revelou evidências experimentais de tal dano.

    Os cientistas estudaram marcadores de inflamação em amostras de tecido de 84 homens com COVID-19 confirmada, ao lado de 105 sem a infecção. Além disso, os pesquisadores avaliaram a qualidade do esperma e procuraram sinais de stress oxidativo nas amostras.

    Os pacientes confirmados com coronavírus tiveram inflamação e stress celular duas vezes mais altos, quando comparados aos que não estavam infectados, e os espermatozoides dos homens recuperados da COVID-19 eram cerca de três vezes mais lentos e sua quantidade significativamente mais baixa.

    "Esses efeitos sob as células dos espermatozoides estão ligados à qualidade do esperma mais baixa e à fertilidade reduzida", disse o pesquisador Behzad Hajizadeh Maleki da Universidade de Giessen.

    "Embora esses efeitos tendessem a melhorar ao longo do tempo, eles permaneceram anormalmente mais elevados em pacientes com COVID-19, e a magnitude dessas alterações também foi relacionada à gravidade da doença", acrescentou Maleki.

    Ainda não é conhecido como isso poderia afetar a fertilidade a longo prazo dos homens recuperados, por isso, cientistas exigem mais atenção sobre o assunto.

    Tema:
    Situação mundial da COVID-19 no início de fevereiro de 2021 (80)

    Mais:

    Cientistas explicam maior perigo da cepa britânica da COVID-19
    Diretor geral da OMS diz que nacionalismo da vacina contra COVID-19 é prejudicial para todos
    Proporção de mortos por COVID-19 sem fator de risco dobra no Amazonas
    Cientistas revelam se mães podem transmitir imunidade contra a COVID-19 aos bebês
    Visão nunca será a mesma: descoberta nova complicação grave da COVID-19
    Tags:
    pesquisa, estudo, homem, vírus, pandemia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar