09:04 28 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Situação mundial da COVID-19 no início de fevereiro de 2021 (80)
    0 20
    Nos siga no

    Sabe-se que os animais também podem pegar e transmitir o vírus SARS-CoV-2 aos humanos e isso pode representar um problema para o futuro. Cientistas alertam que cães e gatos podem eventualmente precisar de suas próprias vacinas contra a COVID-19.

    A COVID-19 não infecta apenas humanos, com casos já registrados em gatos, cães, tigres, gorilas, entre outros animais. Embora no momento os cientistas avaliem que os animais não desempenham um papel significativo na disseminação do SARS-CoV-2, os especialistas acreditam ser inevitável que animais, principalmente domésticos, como cães e gatos, precisem tomar uma vacina.

    "Não é impensável que a vacinação de algumas espécies de animais domesticados possa ser necessária para conter a propagação da infecção", uma vez que os animais podem representar um risco para os humanos no futuro, pois há potencial para o vírus evoluir nessas espécies e se espalhar de volta para as pessoas, comentam pesquisadores em um editorial publicado na semana passada na revista científica Virulence.

    Portanto, os cientistas alertam que algumas espécies de animais domésticos podem precisar ser vacinadas no futuro para retardar a propagação da infecção.

    Du Fan, presidente de uma associação protetora dos animais, observa enquanto um veterinário avalia um cão vadio, que Du resgatou durante o confinamento para deter o avanço da COVID-19, em Wuhan, China
    © REUTERS / Martin Pollard
    Du Fan, presidente de uma associação protetora dos animais, observa enquanto um veterinário avalia um cão vadio, que Du resgatou durante o confinamento para deter o avanço da COVID-19, em Wuhan, China
    "Faz sentido desenvolver vacinas para animais de estimação apenas como precaução para reduzir esse risco […]. Curiosamente, os russos já começaram a desenvolver uma vacina para animais de estimação, sobre a qual há pouca informação", comenta Cock van Oosterhout, um dos autores do editorial, citado pela agência de notícias PA Media.

    No artigo, os cientistas comentam que novas cepas do SARS-CoV-2, como as variantes do Reino Unido, África do Sul e do Brasil, exigem que mais pessoas sejam vacinadas para manter o novo coronavírus sob controle.

    "Enquanto as campanhas de vacinação contra a COVID-19 estão sendo lançadas em todo o mundo, é provável que continuem a evoluir novas variantes do vírus que têm o potencial de varrer a população humana […]. A vacinação contra um patógeno viral com alta prevalência globalmente não tem precedentes e, portanto, nos encontramos em águas desconhecidas", destacam os autores.

    Os cientistas pediram aos governos que considerem o uso contínuo de medidas de controle estrito, como máscaras e distanciamento social, como a única forma de reduzir a evolução e a disseminação de novas variantes do SARS-CoV-2.

    Tema:
    Situação mundial da COVID-19 no início de fevereiro de 2021 (80)

    Mais:

    Pentágono interrompe plano de vacinar detidos de Guantánamo contra a COVID-19
    Israel fornecerá à Palestina 5 mil doses de vacinas contra a COVID-19
    Biden planeja reabrir escolas até abril, apesar de novas cepas da COVID-19
    Bielorrússia negocia vacina contra a COVID-19 com a China
    Tags:
    gato, cachorro, bicho de estimação, novo coronavírus, COVID-19, vacinação, vacina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar