02:07 15 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 41
    Nos siga no

    O povo tlingita construiu em 1802 no sudeste do Alasca, atual estado norte-americano, um forte, que não resistiu a um segundo ataque em 1804, mas cuja localização era desconhecida até hoje.

    Foi encontrado em Sitka, sudeste do Alasca, EUA, um forte do povo tlingit, invadido pela Rússia em 1804 durante sua colonização da região norte-americana, revela o portal Live Science.

    O Império Russo invadiu o território do atual estado norte-americano em 1799, com os guerreiros tlingitas construindo um forte de madeira chamado Shis'gi Noow, ou "forte dos brotos" na língua tlingita, repelindo com sucesso um ataque em 1802.

    No entanto, em 1º de outubro de 1804, os russos, com a ajuda de aleutas e alutiqs, outros grupos indígenas, fizeram uma nova investida, com os tlingitas fugindo depois que sua pólvora explodiu em uma canoa de abastecimento.

    "As forças russas/aleutas arrasaram a estrutura abandonada, mas não antes de registrar um mapa detalhado", relataram Thomas Urban, pesquisador da Faculdade de Artes e Ciências da Universidade de Cornell em Ithaca, Nova York, EUA, e Brinnen Carter, gerente do programa de Recursos Culturais do Parque Nacional de Shenandoah, Virgínia, EUA, que participaram do estudo publicado na revista Antiquity.

    Assim, embora a existência do forte fosse conhecida, sua localização exata era desconhecida, e as pesquisas que decorrem nos últimos 100 anos apenas davam alguns indícios sobre a fortificação.

    Localização do Parque Histórico Nacional de Sitka (fornecida pelo Serviço Nacional de Parques dos EUA, Parque Histórico Nacional de Sitka) no Alasca, EUA
    Localização do Parque Histórico Nacional de Sitka (fornecida pelo Serviço Nacional de Parques dos EUA, Parque Histórico Nacional de Sitka) no Alasca, EUA

    Os pesquisadores do estudo realizaram pesquisas por indução eletromagnética (EM, na sigla em inglês) e radar de penetração no solo (GPR, na sigla em inglês) em uma área de 0,17 quilômetros quadrados, disse o portal citando um e-mail dos cientistas. Esta é "a maior pesquisa geofísica arqueológica já realizada no Alasca", relataram os autores no estudo, com a indução eletromagnética em particular não deixando dúvidas quanto ao local.

    O forte foi o último conquistado pela Rússia antes de completar a anexação do Alasca em 1804. O território acabou sendo vendido pela Rússia aos EUA em 1867.

    Mais:

    Armadura completa de 2.100 anos usada por guerreiros romanos é descoberta na Espanha (FOTOS)
    Fortificação da Idade da Pedra em Jerusalém confirma relato da Bíblia, diz especialista
    Esqueleto violentamente morto no século XIV é encontrado na Espanha (FOTOS)
    Murais de Ramsés III podem revelar características dos filisteus, diz especialista
    Humanos chegaram às Américas milhares de anos antes do que se pensava, dizem estudos
    Tags:
    Virgínia, Nova York, Live Science, EUA, Alasca
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar