05:37 06 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    140
    Nos siga no

    Os humanos adoram dar apelidos originais a diferentes formações no espaço, sejam as nebulosas da Tarântula ou de Caranguejo, o mesmo acontecendo também com a famosa cratera Galle na superfície de Marte que ficou conhecida como a "happy face crater" ou "cratera do rosto feliz".

    Para além de ter um nome divertido, esta formação no Planeta Vermelho tem ajudado os cientistas a rastrear as tendências climáticas ao longo do tempo.

    A cratera surgiu após um impacto de meteorito na superfície do planeta e se localiza na região do Polo Sul do planeta. Durante a última década, este lugar gelado tem se tornado notavelmente maior.

    A sonda Orbitador de Reconhecimento de Marte (MRO, na sigla em inglês) da NASA, que tem estado voando a grande altitude sobre o Planeta Vermelho desde 2006, registrou pela primeira vez o "rosto feliz" em 2011 graças a sua potente câmera de alta resolução HiRISE.

    Cratera do rosto feliz em Marte
    © Foto / NASA/JPL/UArizona
    "Cratera do rosto feliz" em Marte

    Os pesquisadores compararam aquela imagem com outra do mesmo lugar tirada em 13 de dezembro de 2020. A diferença está na quantidade de gelo que cobre o solo da cratera.

    "As características manchas na calota polar surgem porque o Sol sublima o dióxido de carbono nestes padrões redondos", escreveu em comunicado Ross Beyer membro da equipe do MRO.

    "É possível ver como os nove anos desta erosão térmica tornaram a 'boca' do rosto maior". A sublimação acontece quando um material sólido se transforma em gás, sem passar pelo estado líquido.

    Mais:

    Estudo revela que polos em Marte se afastam do eixo do planeta, tal como na Terra
    Após anos de tentativa, sonda da NASA falha em perfurar solo super-resistente de Marte (VÍDEO)
    Geleiras de muitas eras do gelo podem esconder vestígios de vida em Marte
    Tags:
    cratera, NASA, sonda espacial, Sistema Solar, Marte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar