04:16 04 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Raios continuam sendo um dos fenômenos meteorológicos mais espetaculares e misteriosos da Terra, com especialistas ainda incapazes de explicar totalmente a gama de descargas elétricas violentas criadas em nossa atmosfera.

    Muitos eventos luminosos transientes permanecem pouco explorados como, por exemplo, elves (elfos) – emissões de luz na parte superior de uma nuvem de tempestade, sprites (duendes)– descargas elétricas que ocorrem na mesosfera e termosfera, e blue jets (jatos azuis) – fontes móveis de luz azul que se desenvolvem a partir do topo das nuvens de trovoada até altitudes de aproximadamente 50 quilômetros.

    Estes fenômenos são considerados enigmáticos por serem dificilmente detectáveis da superfície terrestre.

    No entanto, o Observatório Europeu de Interações Atmosfera-Espaço (ASIM, na sigla em inglês), instalado na Estação Espacial Internacional (EEI), ajuda os cientistas a entender mais esses raios.

    Em 2018, ASIM foi equipado com uma variedade de câmeras óticas de última geração, fotómetros e detectores de raios X e raios gama.

    Em vídeo compartilhado pela Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês), dá para observar um clarão súbito, após o qual da atmosfera surge um jato azul.

    Segundo explica a agência, o clarão é causado pelo fenômeno chamado elve (elfo) que emerge do topo das nuvens de tempestade e podem chegar a ter centenas de quilômetros de diâmetro.

    Os jatos azuis, por sua vez, são correntes luminosas que emergem dos centros mais ativos de nuvens de tempestade. Ambos os fenômenos são bastante raros e duram apenas milissegundos.

    Mais:

    Primeiro satélite desenvolvido no Brasil se encaminha para o espaço
    EUA querem comprar da Rússia um assento no voo da Soyuz para a EEI
    Rússia quer enviar nave com nome de Yuri Gagarin para EEI
    Tags:
    Agência Espacial Europeia (ESA), espaço, Estação Espacial Internacional, relâmpagos, fenômeno astronômico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar