22:30 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Coronavírus no mundo em meados de janeiro de 2021 (81)
    6600
    Nos siga no

    EpiVacCorona é a segunda vacina desenvolvida na Rússia contra o novo coronavírus. A primeira, a Sputnik V, foi desenvolvida pelo Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya e registrada em 11 de agosto.

    O Serviço Federal de Defesa dos Direitos dos Consumidores e Bem-Estar Humano da Rússia (Rospotrebnadzor) afirmou nesta terça-feira (19) que, com base nos resultados de testes clínicos, a segunda vacina russa contra a COVID-19, a EpiVacCorona, é 100% eficaz.

    "A eficácia da vacina é composta de sua eficácia imunológica e sua eficácia preventiva. Com base nos resultados da primeira e da segunda fase dos ensaios clínicos, a eficácia imunológica da vacina EpiVacCorona é de 100%", lê-se no comunicado do Rospotrebnadzor.
    Vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pelo Centro Estatal de Pesquisa de Virologia e Biotecnologia Vektor, localizado em Novossibirsk, na Rússia
    © Sputnik / Rospotrebnadzor
    Vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pelo Centro Estatal de Pesquisa de Virologia e Biotecnologia Vektor, localizado em Novossibirsk, na Rússia

    A EpiVacCorona, desenvolvida pelo Centro Estatal de Pesquisa de Virologia e Biotecnologia Vektor, com sede em Novossibirsk, foi registrada em 13 de outubro. A Rússia iniciou testes em massa da EpiVacCorona em novembro.

    A primeira vacina contra o SARS-CoV-2 desenvolvida no país, a Sputnik V, segundo os dados publicados pela fabricante russa, sua taxa de eficácia, medida em três etapas diferentes de testes, superou 90% em cada uma delas. Além disso, tem 100% de eficácia contra casos graves de COVID-19.

    Tema:
    Coronavírus no mundo em meados de janeiro de 2021 (81)

    Mais:

    Rio de Janeiro recebe vacinas e Goiás se torna 2º estado a iniciar imunização
    Um dia após vacinas serem aprovadas, Brasil passa de 210 mil mortos pela COVID-19
    Doria ganha capital político com vacina, mas caminho é longo até 2022, opina analista
    Vacina da Índia: 'Há possibilidade de Brasil ficar no fim da fila', alerta especialista
    Tags:
    COVID-19, novo coronavírus, vacinação, vacina, Sputnik V, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar